quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

As estradas fora d'alcance ...





As estradas fora d’alcance ao Homem,
Eu sou o oposto de tudo que é nítido, sonho déjà-vu,
Que não procura factos verídicos no seu conteúdo,
Desejo e Sonho a sequela do sonho que detesto,
Sou aquele que procura semear em terra alheia
A discórdia por deuses que não tiveram seguidores,
Sou o engaço de mim mesmo, margem de rio-
-Meio. Sinto-me um contabilista ilógico
E contar ouro, não sendo importante,
A bem da verdade não conto, faltam-me números, 
E os axiomas que afirmo, meus não são
Mas d’outros, assim como a opinião, pouca
Tenho, creio no que conheço por simpatia,
Mas principalmente se tiver “patine” preta, 
E um pouco mais que eu, em altura ao peito,
Flutuo sobre cidades e serras ao jeito de um mago. 
Acima delas me inspiro ainda que poucos percebam
O sentido que é imperceptível a olho nu, o buraco
Da agulha e o palheiro, não existiriam fábulas
Sem mim, nem lugar pra Aleister Crowley no cais
Dos Infernos. O paradoxo é um sufismo com 4 vias,
Todas elas escolhas adequadas, explicam a criação
Do bem e do mal, do real e do sonhado, do mistério
Ancestral dos anjos terem asas nas costas e voarem
E os homens pés, meias e botas que prendem ao chão
Cientes das estrelas se acharem eternamente no céu,
Fora d’alcance ao Homem, não às gaivotas do mar
Pra quem as estrelas são estrada e o temporal casa…
Joel Matos (02/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Meu cabelo é água e pêlo, sonho é sentir vê-lo...







Meu cabelo é água e pêlo,

Acho-me estranho da ponta do pé à raiz
Do cabelo, dilui-me como água a ignorância
De não percebê-lo a pensar, será que
Estou doente ou dói realmente cada pêlo,

Desperta-me antes que desperte o dia
E antes que comece a ser ou não eu,
Meu cabelo é de água e sonho feito pêlo,
Assim sendo o que penso é infiel à boca,

Fala numa língua estranha que só eu entendo,
A não ser que caia chuva e neve de gelo
No meu rosto demente de actor sem público,
Mostro que sei qualquer coisa útil apoiado

Nos ombros de cegos com real visão de tudo,
Excepto do próprio eu, entre nós um muro
Que apenas cai quando durmo ao relento,
Caindo sou outra pessoa, noutro universo além,

Meu cabelo é água e pêlo, sentirá ele meu pensar
Ou quantas vezes sonhei entre florestas d'almas,
O enigma é minha alma seguir numa direcção
Que ninguém conhece, como uma confissão celeste

Definida plas linhas da mão que são Leste/Oeste,
Apenas "esses e zês" ao acaso a palma da mão toda
E da ponta dos dedos, às raízes do pouco cabelo, 
Acho isso tão estranho como vê-lo a brilhar,

No espelho e os destinos por abrir, sonho é o sentir
Numa língua que só eu entendo porque não existo 
Nem tenho forma, quando estou de mim fora,
Sou uma soma de tudo quanto posso nem ser,

Meu cabelo é água e pêlo ...








Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

(Meu reino é um prado morto)







A minha mão não cobre o mundo todo,
Mas a sombra assusta os passageiros
Viajantes que no meu albergue entram,
Venho de candeio na mão... bruxuleando,

Apetece-me também eu partir quando chove
Mas dita o destino,-de que não sou dono-
Criar bem dentro uma espécie de abismo
Tutelado por uma outra dimensão de mim próprio,

Sonho de que sou eu mesmo a quem
Obedece a trovoada e o mar oceano
Revolto, acordo com a serenidade de um seixo
Que tem qualquer outra pessoa sem ter rosto,

Igual a eles em tudo e até a morte receio,
Sobretudo eu, de que serve ser do sonho
Autoridade ou rei príncipe se não mando 
Sequer nos vencidos, tanto quanto eu sou

Quando acordo, terreno e ilucido, viajando
De noite sou rei dos bruxos, acordado sou
Insignificante baixo, seixo cego, sargo morto
Assim como tu, que não és nada nem ninguém 

E nem eu encubro e luz dum todo, esta ou outra,
A ciência ou a metafísica, Venho de candeia na mão
Como se os meus pensamentos fossem
Realmente vitais p'ras dimensões que tem a Terra

No universo, às vezes deixo-me possuír
P'lo logro, outro modo de ser quem sou 
E sonho que posso içar palavras em tribuna 
Alta, adaptada a mim mesmo e acender a vela,

Como se tivesse atravessado eu um braseiro 
Agnóstico e místico, sem rosto pra que me esqueçam,
Apenas sussurro e arvoredo, venho de candeio na mão,
Cedo é e a paisagem o desenho geométrico mais antigo

Do mundo, eu pra o abrir, cego descubro que
(meu reino é um prado morto)






Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Em lugar primeiro ...





(Em lugar primeiro,)
Não quero nada inteiro,
Como uma criança o giz
Ou um brinquedo dado, 
Uma completa dor de cabeça,
O sol ou o céu abertos de par-em-par,
A morte certa ou o pão mole por partir,
O encanto do azul-marinho esbatido na praia,
A miragem do deserto em faixas ocre e amarelo,
Inteiro é o doer
Que ninguém deseja,
É o sofrer que convive contigo,
O brinquedo da loja, que queria ter, 
O céu e o sol porque são meus
Que os conheço,
Sobre a cabeça ponteiros 
Como pensamentos, lanças d’África,
Não quero por espontânea geração 
O que sinto e lá não está,
Nem o que trago em trapos rasgados,
Mal cosidos ao peito,
Não quero inteiro nada, nem a vida
Dividida, não quero lugar terceiro,
Não quero nada por inteiro,
Quero todo o erro que eu possa ser, 
Em lugar primeiro …
Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Travisto-me de aplauso





Travisto-me de aplauso,
Prego aplausos, emprego
Aplausos em artes visuais,
Construo palácios com eles,
Excepto às Segundas-Feiras de cinzas,
Quando preciso alimentar
A sensibilidade em silêncio 
E fazer o que deveras quero,
Ouvir o vento, basta isso, 
Pra que me complete e
Contente … ah, de palmas
Também e dessa tal gente
Despida de gestos que os
Meus são comuns lugares,
A razão porque tanto desconheço
É ver tão perto quando me penso
Barro, argila ou ferro fundido,
Travisto-me de tudo quanto do
Mundo me separa o corpo real,
Travestir-me de público ou “nu-rei”,
É raro, excepto nas Sextas-Feiras Santas,
Quando a alma é mais negra e cega
Que carvão em pedra,
O que deveras quero é silencio …
Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Gosto do silêncios dos Mormon's ...






Se dou as palavras é porque
São feitas dos silêncios meus
Em compósito, nada assaz
Importante, decomposto ... 

Gosto dos silêncios fétidos
Mais do que falas caladas
A meio, as palavras têm 
Um rosto, o silêncio varia, 

É Composto de intenções, 
Multidões de ínfimos insectos
Zumbindo, decompondo
Cintilantes a minha visceral

Saliva noutra forma
D'arte e em puro sonho,
Nada sério, sobretudo a
Poesia rítmica dos Mormon's, 

Porque do céu chove assim,
Quem dera houvesse chuva dentro
Em mim, chuva sem fim nem
Princípio...








Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Sublime, suprema arte ...





Sublime, suprema arte …
A vida é uma curta aberta
Entre tempestades, é a bonança,
No entanto cabem nela,
Todos os comuns sonhos,
E outros menos normais
De ermitas e simples gente,
Pra quem a vida é arte
Sublime, suprema, não tão
Pequena quanto a nossa,
Se é que ela existe como
Conta-corrente eu nado-morto,
Miragem no deserto,
A vida é uma curta aberta,
E eu acabo por ignorar, 
As estrelas que do céu 
Me vêm pouco e sem tempo
Entre as tempestade, a bonança
Entre morte e renascimento,
Quem me dera ser monge
Ou camponês, pra ter estrelas
A apontar do céu pra mim,
Mesmo na noite mais escura
Que o breu e fazer da morte,
Instante menor que vida ultra,
Sublime, suprema arte,
A vida é uma vala-comum aberta,
Por onde passam destinos
Soberbos e sobejos humanos,
Despojos desiguais, uns mais
Intensos mais nobres que de Roma,
Os centuriões guerreiros das guerras
Púnicas, outros que a gente perde
Pra morte…
Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

A dor é púrpura ...





(A dor é púrpura, não …)
A dor é púrpura, e
O que me doi é
A imensidão, sei 
“De cór” a tristeza,
Não vejo o fim à 
Dor nem à culpa,
Não creias em mim,
A dor nem púrpura é
Nem eu o tal “poeta”
Que possas chorar,
Se nem conheço
O original a preto 
E branco ou vermelho
Sangue e o orvalho
Apenas seca
Quando as folhas 
Debotam o chão
De amarelo seco
E isso apenas eu 
Sei, me dói sê-lo, sabê-lo
Me doi imenso,
A floresta púrpura,
O silencio e o eco
Não sei, nem donde vem,
Mas meu não é,
Nem é o teu, 
Mas do medo
Que sempre terei,
De ouvir soprar na porta,
A oscilação do ar
No outono, a dor é pura,
Oscila entre o céu e a dura terra,
Púrpuro será meu coração,
Não sei bem, de nada serve
Saber, não o sinto bater…
-A dor é púrpura, minto …
Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Lembra-me dois Unicórnios ...




Lembra-te dos Unicórnios ...





Lembras-te dos momentos 
Divinos e dos outros tão sós,
Dividíamos o tempo plo que 
Somos-criaturas povoadas

Por sonhos, lembras-te da
Entrega e da declaração
Lembras-te que morríamos
D'amor junto ao portão

Lembras-te da sensação 
De intimidade consentida 
Da sedução em que cada 
qual era mariposa e vela

Lembras-te da desmedida
Sensibilidade que da pele 
Vinha e era bem-vinda,
Quase com a doçura a mel,

O prazer do toque na curva
Do braço, falávamos do que
Não doía e duma alma a dois 
Presa a fio de guita e do que 

Somos - criaturas povoadas por
Sonhos reais, lembram-me 
Unicórnios do mar...







Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

O meu reino é ser lembrado ...





O meu reino é ser lembrado,
O meu reino é mais que profundo
E cobre-se de tantos grãos d’prata
De quanto é feito o mundo
Em pingos de chuva, pântanos … 
O meu reino é puro quanto o espírito
De todos os seres humanos
Tão quanto eu, areais e grão-
-Mestres escondidos em pantanais
Profanos, meu reino é d’ouro
E palha quanto de breu e sem brilho
O meu reino, o meu divino reino
Vai do pensamento à criação,
Pois o existir não é o pensar ser,
Mas o ser lembrado, “O Incriado”
Cobre-me de tantas lembranças 
De quantas o mundo meu é gerado
Sem um Deus dourado e de falso
Estuque ou barro mole, podre e pobre,
Bastardo sem nome,
O meu reino é ser lembrado …
Joel Matos (11/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

Em pó mudo …






Poesia é estaleiro e transmissão de tanque,
Poesia é terra, transfiguração viva e guerra,
Poesia é Insurgência, Rebelião Fractura,
É um respirar que dura pra’lém do que
É vida. Essa inútil e retráctil face do que
Dizemos ficará da gente pra sempre, 
Se matéria é processo e transformação,
Poesia é estaleiro, transfiguração e herança,
Dança e chaminé de paquete, pavilhão e
Estandarte, cavalo e galope, Juno e Júpiter,
Poesia é tudo quanto faz doer e dor não tem,
Nem sabe ou sente que provoca ao mundo
Sofrimento e desejo, solidão e demência q.b,
Poesia é tudo isto a que me dou de corpo inteiro,
A embalagem, a vasilha, a cela e as grades,
O fulano cuja realidade se incinera sem pena
Nem piedade, em pó mudo, peste e adubo …
Joel Matos (11/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

Finjo compreender os outros …




Finjo compreender os outros
Sobretudo os mortos, minha memória
Tanto faz lembrarem quando me for,
Se nada fiz de bom a ninguém,
Nem a mim tampouco, indiferente
Ao circo, a indiferença é um cinzel
Que me iguala aos outros nos cantos,
Reduz arestas, sobretudo aos mortos
Das campas rasas como estas daqui,
chuva é detergente, erva não cresce,
Finjo entender dos outros sobretudo
A poesia, não faço parte do publico 
Fraudulento estragado, não me apraz 
Ser enterrado no vão de um buraco
Feito no chão, igual aos outros mortos,
Aos quais o inútil não destrói, a mim
Me dói tanto que me transforma em
Lívido, eu que era do tom das alvoradas,
De total silencio, de quando tudo é mudo,
Finjo compreender os outros qb,
Sobretudo os mortos da praça Camões,
Do numero dez em diante, incenso branco
Sentimento de culto, Pascoaes,
Finjo compreender nos outros, 
O comum comigo no exterior,
Olhos e ouvidos, o resto são males de sono,
Tão brancos, breves quanto alucinações 
De louco, fujo de compreender isso
Quase tudo, sobretudo nos poetas mortos
Despidos da matéria, sonho o absoluto
Em quadrantes de sombra e lua,
Imortal a poeira antes de ser ouro puro,
Tudo o resto males e marés de esforço,
Olhos e ouvidos comuns a um umbigo
Dos outros comigo…
Finjo compreender outros, esses.
Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

(Do que me vai na alma)











(Do que me vai na alma)


O que me vale no fundo
É nem alma ter, falo novo
Numa linguagem sem futuro,

Tão pobre quanto as flores
Que crescerão na tumba,
Depois de morto qualquer dia,

Todos têm pose, eu quero posar
Um dia onde mora a luz,
Como um rito que em mim sinto,

O que me vale no fundo,
É ter consciência de Zodíaco,
E seguir nos rios como que signos

Onde mora a luz, é nem alma ter,
Ser quando eu quiser
A ultima jornada e à roda nada

Nas voltas que o mundo dá,
Numa viagem sem futuro,
(Do que me vai na alma )








Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

Nêsperas do meu encanto...

Nespereiras, o meu encanto...
Entendo mal todo o pomar,
Nespereiras do meu encanto,
Folhas pregadas a um tronco,

Firmes, sossegadas, nenhuma
Se destaca, o meu pensar não
Também, fez-me "Soba" o circular
Sono e as folhas tapam o solo

Nu, postiça a sensação de paz,
Remota a glória que me coroa não
E às vespas douradas pretas,
Entendo mal o sacro pomar só,






Faz-me falta o ar liso, a vigília
Morro sem razão concreta, aparente
Ou epidémica, pregado ao tronco,
Decorativo, sossegado, perpétuo

Nespereiras do meu encanto
Que despidas nunca pude admirar 
Escuta-as débil o ouvido meu
E é só...

Entendo mal o pomar todo
De perto poderiam representar
Um sentido oculto antigo que
Eu quero sentir, mas não,

Nespereiras do meu encanto,
Folhas pregadas ao tronco
Impedidas de abalar do mundo
Assim eu, humano rude, manco, feio,

Nespereiras do meu encanto,
Nêsperas, o meu canto...








Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

Não saberia que dizer …




Não saberia que dizer se me encontrasse
Com o silêncio “cara-a-cara”, frente-a-frente
E a sós com ele, talvez olhasse pra trás 
E pedisse que não me abandonasse a última
Frase, a última palavra com sentido que disse
Sem a sentir pronunciar, sem a pesar nos lábios,
Sem a ver distanciar e sentir que vai linda,
Inda mais linda a quem a vê chegar parece,
Do que quem a viu partir pra um lado incerto,
Não saberia que dizer se me encontrasse
Com o silêncio pois ele guarda segredos meus,
Despe-os como eu não sei, nem meu coração
Traidor, assim o silêncio me devora as mãos
Não o peito, cheio de iras e ais, infiel o sinto
Labirinto de enganos, inda mais que o silêncio
Plano, oco por fora e branco por dedentro dele,
Finjo que minha alma é ele sem ser sem a ter,
Que dentro de mim ouve sem falar, que se esconde,
Sem me dar o que preciso pra sentir e dizer e
Falar, deixando-me por contar o que penso a fio
E com gestos inúteis que transformo em sombras,
Ainda que o silêncio me devore as mãos, trago
Flores que não posso explicar ao silêncio vago,
Anódio, infinito, árduo …
Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

I must believe in spring again ...





I must believe in spring again …
As heras passam, passam
P’lo meu corpo inteiro,
As aves voam, esvoaçam
Sob minhas raízes d’pinheiro,
Ai..se eu fosse marinheiro,
Não mais morreria afogado,
Traria do mar o cheiro frio
D’um beijo d’mar abastado
E das madrugadas d’outras heras,
P’rós cheirar nas searas viradas
P’lo vento, o cheiro a aguaceiros
E na erva brandura próprio delas,
Da seiva não sei, minh’alma é calma
QB e a chuva é lenta também, se arrasta
Nas madrugadas e no trigo casto,
Trago no coração ruim amigo,
Aí os corvos esvoaçam o dia inteiro,
Sob estas minhas raízes enterradas,
Nem sei se chore ou se rio,
Ou qual desses primeiro e a fio,
I must believe in spring again …
Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

Receio ser eu mesmo nada.




(Receio ser eu mesmo, nada)
Quem sucumbiu não fui eu,
A cento e um alvor e nada,
Nada tenho que não seja
A lua parda, parada, presa
A cem mais uma almas 
Frágeis, de vidro que trago
Penduradas, místico eu
Que me ocupo da dor d’mais
E morro todas as madrugadas, 
Treino o finito e o perecível
Que é o corpo sem asas,
Cubro-me de pássaros e vidros
Frágeis quanto as almas
Que trago ao cinto penduradas,
Nas pernas presa a lua parda
Diz-me adeus, minto; me chama 
No escuro da noite, tão clara
Quanto o brilho das minhas almas
Mil e uma que trago na cintura,
Tão finitas frágeis e sem asas,
Místico eu de madrugada e à noite
O luar meu culto, ramos palácios
Onde ressuscito sereno, sem fim,
Quem sucumbiu não fui eu,
Mas o receio de ser eu mesmo
Nada.
Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

Sal sagrado




Selo sagrado
A relva é perene por um ano,
Tu me dás sempre o sol ateu
E que as auroras sejam presente
Dos céus, talvez um duplo querer
Em Deuses ou uma boreal maldição 
Que nos impõem do sentir
De todos, perene quanto a
Relva e do crisântemo a cor da cereja,
Tu me dás sempre o sol ateu,
O que me coube por ser humano,
Foi um tronco de carvalho torto
E uma mágoa que me beija,
Tal grainha de uva ou caroço 
De cereja, a relva é perene, grama
Todo um ano e duplo o seu crer, 
Maldição o meu sentir e o ver
Símbolos onde a vista não pode ver
Nem obedece o corpo, tronco
De carvalho entortado, coisas
De gnomo só e ateu, cavalo-homem
Homem-cavalo, boreal pra quem me
Busque nos céus onde antes de
Morto estive por ser humano e perene,
Depois fiz da vida isto e apenas …
Todo humilde superior a infantes,
O destino a mim somente, 
Capaz de ser também a arte
E a sensação de ter vidas mil,
Mil homens dentro de mim
E ter a consciência de todos eles,
Nítida clara evidente, inteira
A sensação de não ser inédito mas
Acima dos outros superior a tantos,
Todo o humilde sonha o que não 
Consegue, ser infante e rei, tudo
Menos ele próprio, arquitecto
Que poentes imagina, impérios 
Extintos, podium mais alto que 
Catedral, embalsamador de ambições 
E inercias, a relva é perene por um ano,
Tu me dás sempre o sol ateu,
E que as auroras sejam presente
Dos céus, talvez um duplo querer
De quem poeta imagina ser duende,
Sal sagrado, Santo Graal …
Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

À dimensão do horto …





A dimensão do consciente
Não é fixa nem muda,
Apenas o pensamento mudo,
Ao pensar, consciente de tudo
E do cosmos todo mas apenas
Na dimensão que me moldou 
Em outra não … ou não todo eu, 
O coração é d’outra coisa fora,
Doutra forma, dess’outro mundo
Sem céu, que não se explica,
O que tenho de bom é que 
Me acomodo ao instinto 
Como se fossem aguas paradas
Quietas, o que me inquieta
Inclui e cria, encanta o que há em mim
Do universo outro,
O que não faria pra me tornar
Paisagem dispersa, disperso eu 
Que penso, pensando possa ser jardim
Secreto onde dentro me deite.
A dimensão do consciente
Não é fixa nem muda,
Em mim muda e sente alquimia
Em gente, gemas e opalas 
Enquanto que, de ouro nada
Uso nem mais caro nem tão belo,
Sou o que penso, enganado
Plo que vai acontecer no fim,
O que mudou foi a veste 
Que me cobre, cobriu um estranho
E agora eu, que me descobri
Consciente, lúcido quanto a mim,
Ouro falso e sem lei segundo 
Quem me lê, que me não creio
Bem e me finjo de ser Rei Santo, 
Assim as ramagens me falassem 
Do alto e com os braços esticados,
Do monte, ainda as tento escutar
Impaciente, no meu mando
De alquimista fixo ao chão,
À dimensão do mundo, do horto,
À dimensão de tudo, do instinto,
Do consciente, do outro, do monte
Da ramagem, do horizonte, da paisagem,
À dimensão da Aorta-da-gente …
Joel Matos (09/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

Diverso-me a julgar, excede-me o compreender.





Diverso-me a julgar,
Esta a hora que passo a cego,
Que importa a parte em
Que possa ser diferente,
Não sei, leio-nem sei bem,
Diverso-me agora, a julgar
Plo que escrevo ao espelho,
Quantos diversos modos,
Este sentir sem olhos d’ver
Em que importa não só
Ser diverso, quanto lúcido,
lírico, porventura Deus,
Dos que fecham sobre
Os olhos, as pálpebras,
Tanta indiferença já vi nelas, 
Se houvesse janelas no corpo,
Queria que fosse nos dedos,
Sentiria emoção palpando,
Assim diverso-me a julgar,
Sem ver na paisagem
Conclusão pra o que penso.
Antecipo o prazer de esculpir
A realidade sem sorrir,
Alego emoção perante o vinil
De um antigo disco, 
Uma canção que me fazia 
Dormir, as memórias são crianças
E nós o futuro delas,
Porventura diversos
Quanto o capital dos desejos,
As opiniões nossas, espelhos
Dos que se fecham 
Sobre os olhos, cansados de ver.
Esta a hora que passo a cego,
Diverso-me agora, a julgar
Plo que escrevo ao espelho,
Excede-me o compreender …
Joel Matos (08/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

Morto vivo eu já sou ...

Morto vivo eu já sou … Se só e rigorosamente de objectos  Mortos se compõem museus, Morto vivo eu já sou, não estranho, Fui...