quarta-feira, 18 de abril de 2018

Meu coração é lei




Meu coração é lei,






Só eu sei, qual a ruim lei, 
Quase nem outra tem,
Meu coração sem dor
Nem boca, mas dói rindo,

Só eu sei não, o porquê
Nem o como, de tal dor,
Que não se paga por lei,
Da vontade, nem é humana,

Tanto outra, nem real esta
A seja eu sei, só eu sei,
Meu mal é ser eu e eu só
Heis o quão leal à ruim lei,

É o rei coração meu, rindo
Me dói, chorar me mata,
Só não sei se isso basta
Pra apagar a dor em mim,

Que me bata Santo ofício,
Pau, aguilhão de manada,
Corno de boi, só eu sei quanto
De mim hei-de doar ao céu,

Meu coração é lei, porque não
Pode ser outra coisa em vida,
Me dói partido, foge de mim 
Quando inteiro, mata dentro

De mim quando comparo no peso
De um saco vazio ao que fui e
Sou, rindo me dói, dormindo
Me traz à memória uma perdida

Praia na foz de "Búzio-meio"...











Joel Matos (04/2018)
http://joel-matos.blogspot.com


O triunfo dos relógios ...



O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares 
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro 
Que sempre existe no fim de cada
Cela, em mim a mesma e igual sombra,
Um mesmo coração cheio de vidros

E dor, o triunfo dos relógios, das 
Sensações sem precisão demais...
O despontar de ridículos remorsos,
Um prazer intimo de sermos quem
Não somos tal como é a obediência

A estranhos que passam por nós fazendo
A respiração pela boca, sempre
Melhor quem passou que quem fica 
Como que se apaga o que sou sem ser,
Tão vago, magra visão ou modo de olhar

O tempo. 













Joel Matos (04/2018)
http://joel-matos.blogspot.com


Sonho d'Midas





Sonho d'Midas ...





Leve o sonho i'nda 
Que m'tire do sono, 
Dest'ida sen'como,
Dano ou beleza, nau

Inacabada o despertar
E eu por me acabar, 
Só porque troquei,
A poeira P'la estrada

A vaidade p'lo ouro,
De verdade não sei
Distinguir treva de 
Breu, estrela de céu,

(Nem sequer o vejo),
Suor de calafrio,
Sonho de Midas
Escrito em Basco

Sou eu só, eu sou ...
Desdenhei um trono
E é nele que me torno,
Tornarei também noutro

Tosco tronco e assento,
Perdido no sonho d'ida
Sem a certeza de voltar,
Me persegui a vida inteira,

Como se fosse minha 
Sombra falsa ou a máscara 
Da própria má sorte ...








Joel Matos (04/2018)
http://joel-matos.blogspot.com


sexta-feira, 6 de abril de 2018

Despertar é desilusão






Não há silêncio que se doe...


Não há silêncio que se doe,
Nem voz que me determine 
Quanto dói o doer, contudo
Nem abafa a dor quem cala

Nem aquele que mal sente e
A fala, não há silêncio que 
Se doe nem palavra que 
Pague o que sinto eu, seja

O que for, alegria pode nem ser 
Dor, nem liberdade terminar
Em prisão, assim sendo 
O desamor é feito do mesmo

E a fé, o ódio que se derrama...
Não há silêncio que se doe
Ou amor que não se acabe
Tal como aquilo que nos une

E dá vida o ar, existe pra
Soprar nele a voz sem um
Ou outro pensarem nisso,
É o que define o sentir

Um desejo sem fronteiras 
Pois sonhos são de todos
Quer se dêem que me doam
Ditos alto ou falando baixo

Não há silêncio que se doe
Nem palavra que me pague
Ter é perder possuir e não
Dar, despertar é desilusão

Embora não doa tanto a dor
Quanto este, doce me fala
Ou ouço, não há silêncio
Que termine o falar, nem dor 

Que valha algo de pouco valor,
Assim acontece que me ouço a 
Pensar e esqueço o desejo
Da fala, me dói o silêncio,

Falar é ilusão ... pretexto.






Joel Matos (04/2018)
http://joel-matos.blogspot.com


A sucessão dos dias e a sede de voyeur

(Nada menos estranho para mim do que ser universal, humano e eu próprio, de versão consciente e de consciência livre, eu e sempre que poss...