terça-feira, 20 de março de 2018

Cedo serei, sou …





Por vezes não sei
Por onde ando, se no campo da batalha
Onde quem não m’lembra sou
Ou aonde crês tu ser agente secreto
Do que passa e passou – sem se mover,
Crês tu poeta ser, convence-te
Que a lembrança é passar e ver,
Convém ser o que passou pra ser,
Pra que fique do que penso o que sou
E pra que me lembres poeta, ou
Vento sendo, sou poeta, improfícuo 
Eu sou, és tu meu solo infértil ou não,
Comecei cedo sendo faúlha, 
Agora sou vento, bravio como convém,
Cedo serei mais além que desta vida,
Às vezes sou nem lembro o quê ou quem,
Entender-me cansa, sonhar menos, 
As vezes as faúlhas queimam, 
o estandarte e sujo-o de terra e hulha
Mas o vento ao passar como
Um rio, lava-me a consciência
E volto a ser criança brincando
Aos soldadinhos de chumbo,
Até rebentar outra terrível
Guerra do fogo mal apagado,
As vezes as faúlhas queimam 
o estandarte e sujo-o de cinza 
Eterna nos azuis montes
Por onde ando e faz frio e aí
Passo a ser eu, de novo Ivan,
Por vezes nem sei ao que vou
Preso, se à graça eterna ou apenas
Ao peso de um pedaço de carvão
E terra infértil, o artificio de um mendigo
É o instinto, em mim tão pacato
Que nem o sinto mover ou se por mim
Passou cem vezes sem duvidar que me divido,
Entre quem sou e quem nem serei …



Joel Matos (03/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

quinta-feira, 15 de março de 2018

Tod'a poesia acaba em silêncio



Toda a poesia acaba em silêncio,
Porque nasci ou como morro ignoro, 
Não consigo definir começo ou fim,
Ind’a assim deixo descrito o lento voo
De uma ave de pena e louça que 
Dentro trago, ainda que seja desculpa 
Pra não levantar voo como quereria,
Assim também a mim ele me mente
Tal como um objecto abandonado
Sem vontade dentro, assim me sinto,
Preso aos sapatos e ao ponderável
Peso terreno, onde moro desde que
Me conheço, capaz de escutar o silêncio
De um baloiço, ver magia onde tem apenas feitiço
De galinha morta, ouriço no meio da rua
Me lembra afago, suave tudo quanto oiço
E o silêncio num búzio lembra-me mar,
Não sei que ideia esta de mansidão, 
Pedaço de espelho quebrado que mente
Cortado p’la metade, terça-parte é céu,
Tod’a poesia acaba em silêncio, o meu
Começa onde esta se cala, pois me continuo
No que não tenho, luar ou uma estrela
Tão vaga quanto o meu passar passou,
Suave quanto o que me ouço, nada
Que seja meu, imito apenas do silêncio o som,
Pois o céu é na Terra e o quem sou
Não interessa, pena, louça e culpa …


Joel Matos (03/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

quinta-feira, 1 de março de 2018

Depois te escrevo ou a lucidez de Alice






Depois te escrevo ou a lucidez de Alice 
Detrás do espelho tu Alice,
Me diz se sou coelho ou gato,
Pois quando toco o ar deste
Lado ele sempre estremece, 
Tão lácteo, lívido quanto havia
De alva cal na parede de onde sais,
Noutro vazio dum quarto branco,
Bruscamente deixa de aí ter
Um espelho pra ser luz encanto,
Tu Alice, eu coelho vidente,
O que não havia era Rainha
Sem rei, serei alguém d’engano,
Além de Coelho sou quem
Bocejo defronte ao espelho,
Onde não me veja pairar,
Pois quando toco o ar,
Faz frio e rio de mim pra mim,
Alice é o Coelho, sinto que
O outro lado é aqui mesmo,
Decido eu ou não eu o que vejo,
Detrás do espelho tu ou Alice,
Ou sentir somente com a alma,
Como só a alma sente sentir,
Frente ou interior de espelho,
Eu nem a espelho chego,
Quando mais ao trono, 
Que não está do meu lado,
Alice foi embora do palácio,
Era rainha, serei ninguém ou
Rei, dormirei quanto ele
Frente ao espelho, depois te
Escrevo …Depois te escrevo
( Depois te escrevo )
Joel Matos (12/2016)
http://joel-matos.blogspot.com

Morto vivo eu já sou ...

Morto vivo eu já sou … Se só e rigorosamente de objectos  Mortos se compõem museus, Morto vivo eu já sou, não estranho, Fui...