sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Sei que um demente não pode ser levado a sério...


Sei o que um demente melhor fazer sabe
No papel homónimo do subúrbio meu,
Periodicamente ausento-me, sem saber;
O que pode nem ser totalmente mau.

Sei de um hiato enorme, convenço-me
Que é escrita, essa linguagem complexa,
Entre a veleidade e o não sei quê, que me consome,
Como um ar doentio que me atravessa.

Convenço-me de que tudo faço sem estar presente,
…Apenas contemplo de longe
E parece fazer sentido, embora triste
Na alquimia que se revela e emerge,

Não na emoção, mas no meu espirito intranquilo.
Sei também de um secreto presságio,
A que não sou alheio, mas dele nem falo,
Só eu sei o medo que tenho de não ser levado a sério,

Pois o que um demente melhor sabe fazer de ruim,
É mentir  e ser coroado Rei frente ao cenário de um império
Terminado ou na beira do fim.

Joel Matos (11/2012)  

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que ...