terça-feira, 12 de outubro de 2010

Voto em Branco



Veto Branco da Morte

Já fui fio-de-prumo, primo
Do compasso, esfera armilar,
Cavaleiro d’malta, cruzado,
Invertida pirâmide, credo.

Com vasculhos, do tojo abrunho,
Varri grilhões, desta vil Terra,
E porões, de nau negreira,
Fui falo, d’convento capitel,

Mendiguei, por pães e guita,
Verguei’m’a um ideologista,
De foices, martelos e’Corão,
Ceifeiro, d’cearas d’outros,

Maçom, secretas sociedades,
De todas que "Dei Opus" tem
Como falsas e sem confiança
Em sinos,concílios ,Deuses.

Não me orgulho, de ter sido
Pira d’corpos, cremados na praça,
Imposto de guerra, d’rei déspota.
Chacina em Jerusalém, Darfur.

Sinto despontar um presságio
Maligno, quando urna sem voto
De protesto, sou, em reino,
Onde à sorte, não pertenço.

Já fui, fio d’prumo, compasso,
Tudo, e minh’alma, sem dono,
Não pertence mais a’quem manda,
Mas sim à morte…

Joel Matos (10/10/2010)



http://namastibetphoto.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que ...