quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Sonho de lugar nenhum.



Enquanto na atenção o respirar ponho,
Houvesse um bater de coração mais genuíno
Que o vento a soprar no cortinado,
Como um diapasão enquanto o respirar sonho:
 -Lado nenhum.

Preciso dele cercano, apontando
Pra mim, como quem diz vai…acredita
Como precisa todo o poeta finado
Qual cerca de extremos sus fraquezas 
Não trago uma lua vera porque me chamo,
Lugar-comum

Não trago uma lua de cera no bolso,
Nem das penas d’além coberto sou,
Quero almoçar o sol suposto, cru e em jejum,
Sem pressa e acordar desnuado ou nu,
De corpo descalço e em viva chama.

Em pensamento eu penso que serei o resto,
Senão dos pródigos sonhos que semeei. 
Sonhei um prado em extensão entre o brilho do céu
E o ermo do meu peito terreno e no suão vento-
Houvesse um bater de coração mais genuíno,

Suposto seria ter um pouco do meu…


Joel Matos (01/2014)


Sem comentários:

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...