Avançar para o conteúdo principal

Navio Fantasma

(Cape Tribulation, Australia, 11 de Julho de 1881)

(O futuro rei da Inglaterra Jorge V e a sua tripulação de 12 homens no navio,  HMS Inconstant, avistaram o navio-fantasma no dia 11 de Julho de 1881 quando navegavam na Austrália em Cape Tribulation)

O Navio Fantasma,
É coberto de algas, na proa e no mastro e o espectro, no barco
(o capitão Bernard Fokker , rosto de peixe e corpo de homem)
Berra em silêncio, com o oceano e o madeiro podre do casco,
Num nefasto rangido, quase perpétuo, como as vagas
E a errática andança pelo mar, no negrume das sombras,

O fantasma maldito, desafia-o no convés e o nevoeiro ambíguo,
Tudo cinge, num abraço de cal e morte. No porão do tempo,
Os conjurados navegantes parecem arder, num eterno fogo-fátuo
E galgam, galgam ondas, montados nas costas do demo,

Lançando de quand’em vez, um esgar supérfluo, ao luar sem face,
Talvez por inveja, da lua, ao invés deles, possuir claro aspecto,
Ou evocando as noivas, que os esqueceram, no ardor do clímax. 
(Defuntos sem olhos, outrora jovens, caídos em desgraça, no mar insurrecto)

Portos em que amarra o capitão Dutchman não haverá primavera e flores,
Pára o fluxo do tempo, soltam-se todas as dores, nas garras de irreais seres,
Almocreves do demónio, Trafica-se, tormento, abominação e ódio.
Nos areais e praias a carnificina lembra, O inferno de Dante ou episódio

 De John Carpenter em filme, grita-se nas ruas,fujam pelas vossas almas,
 Vem aí o Der fliegende Holländer e o pânico alastra, nas aldeias e vilas,
Tal a famigerada reputação do navio, condenado para sempre a vaguear,
Pois o comandante, Fokker, usou dados viciados, com o diabo ao poker, a jogar

(Procura o capitão nas aldeias da costa e no mar uma mulher que lhe jure
Fidelidade eterna e o livre deste tormento)



JORGE SANTOS (11/2010)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em tempos quis o mundo inteiro

Em tempos, quis o mundo inteiro, Hospedado no peito, redondo e obeso, Perpétuo como um relojoeiro, Um peito de soldado raso, desconhecido...
Era criança e havia amar, Eternidade, justiça e razão... E um lar... um veleiro vulgar, E um timoneiro sem tripulação.
Hoje sou ilícito e estrangeiro, Partido fui; metade do coração, eu entendi... E o mundo que já cobicei como o ouro, era outro Ficou perdido, em nenhum outro lado, fora d’mim.
Acabei por fim, a não pensar em nada, Até que acabou o meu tempo, Escondido numa caixa enganosa, redonda… Num habitual descontentamento.
 Eu...a quem o mundo não bastava, (Se nem eu, nem ele sabíamos que o outro existia) Agora, pouco do que tenho e sinto, é seu... Nem isto que escrevo, indefinido e a eito, sem serventia...
Basta hoje o dia não ser tão feio, Pra ver no céu fiel a alegria que sinto ainda no peito, Porque na terra, o que esperava não veio, A minha alma foi sepultada num árido e seco deserto.
Joel Matos (04/2011) http://namastibetpoems.blogspot.com

Pareces tão eu ...

Pareces tão eu
Que me aconteço,
Que me perfaço jamais
Da imperfeição do mundo,

Pareces tão eu,
Em tudo que não corrijo
E do que serei sou feito,
Injusto como muitos,

Vim ver o quanto
De quem sou
Eu mesmo, 
Ou os outros

Objectos inexactos, 
Todos eles
Parecidos comigo,
Pareces tão eu

Quanto me convenço,
Quando me aconteço,
Quase me perfaço,
Pois nem só o tempo

Espaço depende 
Da matéria, 
Mas o conceito
Parece tão meu, 

Justo quanto outros...
De resto os dias 
São como são,
Uns são acontecidos,

Outros passam acontecendo
Constantes de amanheceres
Que acontecem lado a lado,
Na geografia que somos,

Mapas de tudo, mapas mundo,
Tão curta é a vida e a dor
Que dura e se faz tempo, 
De resto os dias

São como são,
Uns são acontecidos,
Outros acontecimentos,
Passam pra sempre

Sendo 
E acontecendo,
Pareces tão eu,
Que me aconteço

Acontecendo ...




Joel Matos (06/2016)
Http://joel-matos.blogspot.com


Soror da dor

Quando o soro do amor 
Não vem sincero nem dentro
Dos gestos que usamos pra fazer

Cre,r nem nos braços ao menos,
Se sente no roçar dos lábios 

Que temos na verdade, 
Pouco pra dar 
Ao outro
Ou nada sequer

Senão vácuo, soror habitual da dor ...



Joel Matos (1/2017)
http://joel-matos.blogspot.com