terça-feira, 27 de setembro de 2016

Sempre que desta falo ...





Sempre que desta falo ...


Metade é dom do luar, a ilusão,
A outra, humana completa,
A fala, ela com que conto
Como e do que é feito o pensar

Tal é o caso daqui e agora
Os sentidos mais são sobra,
Atraiçoam a imaginação,
Como ind'agora ao sonhar

Sonhos múltiplos disto pintados,
De fresco e framboesa citrinos
Todos em tons de toranja,
Omiti infelizmente do luar o tom

Metade e o espírito deste conversa
Não expressa, o que deveras
Sinto na humana metade minha
Que resta, que fala sempre que

Falo desta, no que ouço eu pressinto
A longínqua passagem, vivo
Do solo que me criou, faço
Consciência do porquê de vir

Parar a este mundo cego
E pra que fim sou eu, justo
O bosque e o arvoredo que
Fala mais alto que aí vós

Outros de metro e meio.
Onde estou eu não sou
Tão perto de tudo e de nada
Do irreal e da Alvorada sobretudo

O meu ser fecundo plas
Florestas onde sussurros crescem
Como musgos em geada
Presas ...



Joel Matos (24/09/2016)
http://joel-matos.blogspot.com

Manhã e seda ...




Quanto mais em nuvens me faço,
Menos me vêm, poucos me guardam
Pois o meu destino é desaparecer cedo,
Antes de chegar ao chão, é o destino

Quando das nuvens faço choro
E o que antes de sê-las sentia sendo
Nostalgia vinda dos céus do sol-pôr,
Muito menos o vêm por não se sentirem 

Nuvem como eu já fui depois de voar
No céu e afundar no mar na lua-
Cheia a minha inglória nuvem branca
E a memória que perdi de ser veleiro,

Quando mais no céu me desfaço
Em nuvens de chuva mais tento
Chegar às raízes vossas nesse chão
De terra seca e rocha pedra preta, 

Quanto mais nuvem mais sinto o céu
E o vento saberem por certo 
Ter eu outro destino que não chuva
Mas aurora boreal ou névoa breve 

Num deserto de manhã e seda ...



Joel Matos (09/2016 )
http://joel-matos.blogspot.com

Tão simples quanto um cabelo meu ...




Nada pra mim é tão simples com'um cabelo
e uma ruga funda que conheço na testa,
as mãos que são como um mapa que sei-
-de-cor e as marcas da velhice que aparecem
sem que eu queira. 
Nada pra mim é tão simples
como o mar na areia batendo e um pensar
perdido partindo na espuma, sem destino
que eu conheça, apesar da ruga na testa
e o cabelo a voar ao vento e o mapa das mãos
e o olhar vão no mar a olhar, 
a olhar sem que eu queira parta , parta não ...


Joel Matos (09/2016)
http://joel-matos.blogspot.com

Nada espero, nada quero, nada valho,nada sou ...





Quase me esquecia d'aqui vir,
Voltarei querendo me perca
Do que vim, exausto da forma
Como me revejo a mim e vou...

Quase me esquecia que voo
Daqui numa ilusão que vou
A outro lugar diferente onde
Sou gigante entre gigantes ...

E os dias da forma que têm,
Essa forma que quero em mim,
De labirinto, pois terreno e plano
Me fartei do mundo, estou farto

Que quase me esqueço d'vir 
Sen'sperança dizer porque penso eu
Assim tanto que nada espero, 
Nada quero, nada valho,

Nada sou ...


Joel Matos (08/2016)
http://joel-matos.blogspot.com


Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...