quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

O salto







Olho o abismo de tal lado
Que do outro, solto, salto
Pro impraticável, resoluto
De poder e de concorrer

Com a sorte, sem acordo
Olho o abismo em torno
De mim todo e súbdito
Do fundo que houver,

Se houver fundo, num
Declive que é o meu
Sentir solto e a saldo
E aí eu salto de patamar

Em patamar e salto
Para o lado que penso,
Ser meu e o meu pensar
Voa de andar em andar,

Olho o abismo desse lado,
O tal, mas deseja o outro
Nem eu sei, ou ele porquê
porque infeliz acordo

Fiz eu, com o inferno
Sem fundo e sem argumentar
Nas minhas preces
Por tal, um pacto pouco exacto,

Com o Demónio em mim
À solta ...



Joel Matos (02/2016)
http://joel-matos.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...