quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Quando menos se espera






Quando menos se espera 
Os signos soltam-se dos demais
Procurando novos significados
E eu continuo ignorando,

O que é viver com os pés
No chão, tentando perceber
O som que vem do céu
De minha boca aberta toda,

Toda aberta do calcanhar
Ao fémur passando p'la
Omoplata, subindo a Cava
Veia deste meu coração

Sem terra, alta erva ou horta...
Quanto menos me sinto
Levado plo destino mais sou,
Assim o céu nos desprenda,

Quando menos se espera, 
As palavras soltam-se no ar
Prolongando velhas frases, 
E eu continuo ignorando

O que é viver com os pés
No chão, tentando perceber
O som que vem do céu
De minha boca aberta, 

Toda aberta do calcanhar
Ao fémur, passando p'la
Omoplata subindo a Cava
Veia deste meu coração

Sem terra, alta erva ou horta...
Quando menos espero,
Ser e desejar são a minha arte
E a minha arte sou eu num só...



Joel Matos (01/2016)
http://joel-matos.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...