sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Que encanto é o teu...



Que encanto é o teu, encerrada do forte da desgraça,
Cerca-te a miséria da descrença e a mansa murraça,
Que encanto é o teu, que possuis meus ais e meus
Vergões e os manténs na passagem do poial do juízo,

Tens a consciência dos minerais e os sonhos naturais,
Em filas, concêntricos como outros que encantas
Têm e não sabem expressar, senão no pensamento,
Que encanto é o teu que guardas a vergonha e retrais

O sentir bera, pra sentires com os poros puros, por extenso
A plenitude dos pulmões na voz dos evidentes clarões
Que impelem a liberdade - que tu és e pensas,- viajam
Como pedras rochedos e granadas por causas,

E o encanto teu resgatado dos florestais relentos,
Que encanto é o teu, pousado no ombro e cotovelo
Por onde as abelhas fazem mel e sorris súbito,
Repentino, quando uma folha te roça o rosto perene

E virgem de moça e o fascínio começa, esvoaça
Consentido p’lo encanto eterno que a alma tua goza
Que encanto é o teu nas glosas que incessantemente
Convocas as hostes das minhas tropas pacatas fracas

Para guerras que ninguém vê, nem lembra na Terra,
Mas de qual tu, rainha, contas como glórias certas,
Causas justas, evidentes no sémen que brota e grita,
Qual vagem lançada a terra, num inominável recomeço

De esperança nesta terra de ameias, desgraças e peias,
Que encanto é o teu? Mulher Criança, Natureza Mãe,
Confiança…


Joel matos (11/2014)

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que ...