quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Sem Dúvida...





Sem dúvida,

Podemos ser artificio  de Deus mas dentro de nós,
Construímos artificialmente quem somos,
Damos legitimidade a um ser, que chamamos  “EU supremo”
Oficialmente, nada tememos, senão amargo, dor e o amor q.b…

Quando calha, esse amor pode ser triste, como a fome
Dele, pode ralhar, sem falar, pode até matar,
Nem sei do que falo, nem sei o que sinto,
Quando do instinto, só fica tristeza e ínfimo vazio,

Nem sei se existe na natureza, outro amor invicto, infinito,
Tal como no coração humano, incrível, -invencível até,
Como se pudesse vir dos céus, a formula ideal, final
Mas… amarga desilusão na jornada do homem feito,

Quando calha o Homem pode ser general e fera, alquimia,
Mutilar a alma, eliminar, imitar um drama negro, desapegar
Os elementos que o destroem e consomem, fere e fundo
Como adaga maligna e uma medonha acha de guerra,

Empunhamos o amor assim, da mesma forma louca,
Insana e ao mesmo tempo louvável, (pra não dizer humana)
Como só um ser supremo, com um coração de imortal,
Que sempre se renova e aprende incansavelmente.

Quando calha, o amor humano pode ser prova disso,
Que o homem como Deus Igual...é GRANDE…
Eu sei que lhes estou a falar do espírito, da dor e do perder,
Pois se, Deus é parecido em tudo comigo e contigo,

Homem, será sinónimo de AMOR de DOR e de DOAR
(Procura pra se perdoar, Medita para se perceber )
-Ama sobretudo, pra se não perder-


Joel Matos (10/2014)

1 comentário:

Helen De Rose disse...

Parabéns, Joel. Estou visitando seu blog. Suas criações são reflexivas, gosto do seu estilo de escrita. Até mais ler... Helen De Rose.

Ás vezes quebro (Hitler puff … )

Ás vezes quebro. Às vezes quebro, Como prato vazio E a expressão de quem  Se não enquadra Mas finge pular à corda, Com os que ...