segunda-feira, 13 de outubro de 2014

É desta missão de cifra que sou e padeço...





Minha simplicidade veio e acabou,
Não me brindei brinquedo, bar fronteiriço
Doutra lógica dimensão a que não vou.
É desta missão de cifra que sou e padeço

É dela e do epígrafo que me meço, pensá-la
É imaginá-la de dentro, soo-me a desfavor do projecto,
Como uma leal bofetada a ressoar em pleno
Peito, lenta e repetida, autentica, crível

Creio-a real e é-me devido crer no que acaba
(Temporário sacerdócio de existência do ser)
A minha simplicidade veio e acabou. Sem facho,
Estive corpo presente no santuário, me cerca

A hora de pertencer à intenção que inspiro. Sinto
No despido corpo, em tudo igual ao pó, eu só.
Reconheço a loucura só de a ver sorrir, pelo tom,
Que chorar me faz falta, por cínico que seja eu,

Sei que choro e acabo esquizofrénico d'o sentir
Mesmo que o meu chorar seja a rir do afinal
Das coisas que, nem têm sentir, apenas conveniência
Meias, entre lidos sinais, ilusão provada do meu pensar.

(É desta missão de cifra que sou e padeço…)


Joel Matos (10/2014)

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...