quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Nunca darei notícias...




Nunca darei notícias, contudo
Virei sedento, do que vi por dentro
E do que trouxe do silêncio,
Das esquinas caiadas, de prata e nata.


Visto que morei na rua, nunca darei notícias,
Aos que quero tanto,
Virei com vontade atenta,
E lembranças na pele, do trajecto.


Virei com a lembrança da cal na boca,
Virei do encontro no espelho, com o nada,
Virarei ruas, cidades e ruas sem idade,
Vinhas de religiosas terras, iras e paixões.


Vi os lugares inclinarem-se-me e as estradas,
Vivi as terras, vi estrelas e profanei equívocos,
Nos serões normais, fiquei comigo, e nas paisagens do trigo.
Visto que sonho demais, nunca darei notícias,


Meus passos serão como os deles, lajedos puídos
Mas o meu coração estará descalço, longe,
Ainda que perto, das coisas simples, formais,
Fugindo de um corpo encantado.


A chave do dia será o pensamento,
A volúpia do singelo e o variável,
 O sobressalto da escada, sem corrimão,
-Vi uma dessas em parte alguma, na lua


E na soma dos instantes, do passo lento
E o longe simulará o perto ou a aparência, o incerto.
-Nunca mais voltarei a rasgar desesperos
E a fingir que atravessei continentes…


Joel Matos (12/2013)
http://namastibetpoems.blogspot.com

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Encalho, agacho, acobardo...e morro.




Sou consciente do que penso e procuro,
-Procuro-me tão-somente,
No conhecimento, mas inconsciente
D'o não haver, onde tanto o procuro,


Ainda que houvesse, um farol faroleiro
Do sentir do meu pensamento,
O afastaria de mim, estaria oculto
Quanto, sob intenso nevoeiro…


Pensar…pensar tão-só, quanto o pensar
Mente e se encobre, n’algum ser ou coisa
Inconsciente, como pensar que nem se pensa,
Embora seja ela, a causadora aparente do pensar.


Sou consciente de que procuro,
Um inédito conceito do real, ainda por pensar,
Porque sem o peso da memória, não terei logradouro,
Nem este vil cais, me irá ver morto, embarcar.


Talvez como eu, seja aquela puta, sem opção,
De bar em bar, repartindo o cadáver morto,
Mas sonhando-se prenha, d’algum Nobel da ficção,
Que a penetrou fundo, por um gol d'absinto.


Sou ciente do pensar que procuro,
Ser mais venal, que o comum pecado,
Mais impuro, que o despudor, em estado puro,
Mas num mar de bruma m'encalho, agacho, acobardo…

(E Morro)

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Bebamos...palavras.


Embriago-me, pra que
Todas as palavras de mim,
Sejam parte do tinto…vinho,

Pra que todas as partes de mim,
Sejam "trucadas", invertidas
Reinventadas, torcidas e moldadas...

Não é mais minha, a palavra
Ou o Dom, é um tudo e um nada,
Depois de ser escrita e “fundida”

Ou "tocada" por olhos, pálpebras
Ou orelhas, quer furadas, quer não.
Escrevo embriagado…

Por isso digo, por isso trago
No peito, na braguilha e no bucho
O mosto quente, por isso, o derramo,

(Por um nada) …

Um enigma, uma visão,
Uma gralha, uma fala,
Que sirva pra profanar o lugar-comum,

Por isso ofereço, dou a palavra,
A quem tiver por prazer
Beber comigo.

Vai mais uma rodada,
Bebamos as partes do corpo
Duma vezada, por uma razão qualquer.

Ah…eu bebo por desdém,
Também.

Joel Matos (12/2013)

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...