terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Encanta vento







Venta, mas me encanta o vento,
Serei dado por morto, na porta
Aquela que o vento peça pra
Abrir o ferrolho e ela se não escancare

Pra dar passagem,venta no meu
Rosto um morno vento, será da
Monção ou dos meus rostos barbados
Todos, aquele que se sente queimar

Cada vez que o vento passa,
Me encanta vento catabático 
Ou me mata logo, logo como fogo
De gelo, de forma que não escape

Cento e quantas vezes, no sentido
Contrário do vento grosso que passa e
Passa e passa, me encanta vento
Depois parte pra eu poder sentir real

Na alma o vento todo do mundo
E a vontade que me mude de onde 
Estou pra onde faça sentido estar
Sozinho, como o respirar fundo,

Venta, mas me encanta o facto
Saber que vivo, o vento quando por mim
Passa, saber ninguém sabe ao certo,
Excepto o vento, me encanta o vento

Que passa suave ou forte, atento atento ...




Joel Matos (12/2016)
http://joel-matos.blogspot.com


Sem comentários:

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...