terça-feira, 29 de março de 2016

Pra que sirvo ...





Pra que sirvo …

Pra que sirvo, quanto a mim
Vivo pra que me ouçam
E escutem, não tanto aqui 
Onde me encontro amiúdo,
Mais na dimensão desse todo o mundo 
Que não é mudo, e do que me vê, 
Não ao vivo mas que alimenta este cego,
Vivo por isso sem prazo medido
E o meu preço é curto miúdo
E tudo isto…no fundo o modo
Como me escutam
E pra que sirvo, quanto a mim
Prefiro a penumbra sonolenta 
Do swing, 
No meu canto apoiado p’los cabelos
Sonhos desgovernados mas sonhos,
Apenas sonho, mas sonhos mesmo.
Joel-Matos (03/2016)
http://joel-matos.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que ...