quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Na beira d'onde moro






Aqui, na beira onde moro
A pele das mãos é púbica,
Quotidiana,tantas vezes
Besunto de banha bera

O próprio corpo, à beira
Do abismo onde moro
E sobrevivo ao cuspo,
Quem vem pinta meu

Rosto e envenena a água
Que bebo p'las costas
Da mão dextra que m'resta
D'engodo...



Joel Matos (02/2016)
http://joel-matos.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...