quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

A lembrança do que vou pensar






Tenho momentos em que até a luz 
Do dia me diz ser noite cerrada
Porque me doi sem razão cada som 
E o dia e o ruído e o nada e a lembrança,

Tenho momentos em que 
O que deveria fazer sentido não faz, 
Pois nem mesmo o conceito de viver, 
Este passou a ser um castigo, 

Um cansaço que recomeça ao acordar,
Acho que mesmo morrer não consigo, 
Por mais que queira, 
Não por que tenha motivo, 

Penso que nada me motiva nem mesmo 
O medo nem mesmo o nada fazer
Tenho momentos em que acordar 
É uma desilusão,

Um suplício, uma escada de enrolar
Sem degraus mas em gumes de faca, 
Em que caio todos os dias por decreto 
E saio da cama a medo, 

Mas sem motivo para estar deste lado 
E acordado
Quero estar dormindo, porque 
A realidade me corta de baixo-a-cima,

Não é potável o sonho, nem o vinho 
Que bebo, a minha alma é um "cadinho"
Do laboratório-da-peste, 
Considero dever buscar um sentido 

Para o que faço, 
Diferente do comum movimento dos astros,
Da rotina, do cansaço
E da lembrança do que vou pensar ...



Joel Matos (02/2016)
http://joel-matos.blogspot.com



Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que ...