quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Rua dos sentidos órfãos...



Sendo eu mudo não penso contar sequer
O que penso, os meus secretos medos
Revelar o que imagino ser dum cavalo
O trovão ou da consistência das nuvens 

Que vêm se desfazer contra o monte
Aponto a pouca voz que me resta nunca
A qualquer transeunte que passa
pois penso ser artificial o som que sai

P'las camadas que me revisto de lucidez
Pouca, impermanente... e desespero 
Por ser ouvido pelo que mora ao lado
Livre como um cavalo solto ao vento 

Inconsciente que aqui estou eu presente
Dando tudo o que imagino ser meu pensar,
Todos os sons que faço embora sem 
A flauta transversal de místico 

Que tanta falta me faz neste ofício
Infecundo de surdo-mudo na rua 
Dos sentidos-órfãos, nós todos, pedintes
E pão...


Joel Matos (01/2016)
http://joel-matos.blogspot.com


Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que ...