quarta-feira, 6 de maio de 2015

Homem Anão.







Homem anão.


Quantos Himalaias, quantos esconsos penedos
Deixámos de subir por faltar em nossas veias
As reais, paredes, alicerces e sem aparente razão
Ou medo das ameias, quando os penedos

Escuros, escudos nossos são, varas verdes
Sem jeito nem nosso respeito plo que as costas
Da natureza sente nas crostas e charcas
Mas consente não, consente não,

Quantas propostas e sermões damos a peixes,
E daremos em vão, sem nós mesmos neles crermos,
Quanto da nossa clarividência negamos
No nosso desassossego de cidade intencional,

Quantos dias temos em que o desapego vivemos não
Ou mais ou menos inconscientes, bêbados,
Quantos dias de comprimento tem uma vagem, parecidos sois
Mas superiores a mim,  todos servindo de pouco a quem não,

Quantos dias a menos tem um ano, de esperança em renascermos,
Quantas memorias do que fomos em criança e dos brinquedos,
Quando se está velho e "de parte",
Quanto somos? porque noutra parte de nós mesmos,

Menos tempo para o que fomos temos, neste coração
Sem dia, sem ano, nem termo,
Quantos dias a menos tem o ano dum crente, ateu
Velho, inadaptável, indesejável sem aptidão,
Na pseudo-alma das memórias deslembradas,

Que os velhos têm, sem não...sem não,
Nós somos o artifício e artífices de nós,
Quer façamos castelos nas nuvens,
Ou guardemos dragões nas nossas caves,

Quer castremos eunucos, pela voz,
"D.Juans" em lenços de linho fino,
Homens palha, ninfas do Danúbio, Homem puro,
Homem Dúvida, bezerro d'ouro,

Homem de latão, Idolatra,
Divisão (não apenas semântica),
Mais parece falta de chão,
Séptico, sem paixão, assintomático,
Que Homem estes são?..Homens não,

Homem anão


http://namastibetpoems.blogspot.com

Joel Matos (09/04/2015)

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...