quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Saudades...




Saudades de tudo mais,
São coisas que invento,
Quando penso no que
Não esqueço, sem que
Saiba, do outro lado da linha

Da metade de mim, se
Saudade sente ou partiu
Sem dizer nada mais que adeus,
Saudade se sente, eu sinto
Que ouço, vindo nem de-

-Perto, nem de-longe,
No que penso por dentro,
Ser a saudade sem ir embora,
Como se fosse um abraço
Do monge do sol-pôr,

Saudade sem a ter, verdade
Mais longe que perto,
Como tudo o mais saudável,
Que inventei eu, que seria
Da tua ida embora,

Sem dizer nada mais?
Água vai, apenas saudades,
Em tudo iguais, normais,
Que invento da linha mora
Ao pavio, da sereia ao rio,

Pescadores sem fio,
Saudade de tudo, eu mais
Da paciência, da espera,
Da urgência, da falta, da pressa,
Da esperança...


Joel Matos (02/2015)
HTTP://joel-matos.blogspot.com

Sem comentários:

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...