terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Ivan




Nada digas do Ivan,
Que seja Terrível,
Porque da fé se fez
Afã e na fome a miséria,

-E interditos todos nós-

Nada digas, nem te tentes
Do divã leito debruçar,
Porque alegria é sã,
E dormir um sexto disso,

-acredita em todos, não em mim-

Pra nada fazer bem,
Por defeito ou teimosia,
Eu sou o que de mim faço,
Nada digas de infame,

-Mesmo que espelhos tu vistas-

O nosso terraço,
Tem fissuras e as telhas
Positivas são poucas,
Temem o musgo que cresce,

Todas as estações do ano,

Mais, quando o inverno
É Imprevisível e triste.
Nada digas do Inferno,

Se nem Dante o viu, nem o verbo,
O fim do mundo é uma auto-pista,
Que em excesso de velocidade,
Apenas se sente,

Do coração, na boca o dentro,
Nada digas do Ivan,
Que seja terrível,
Ou em vão

Sempre é pior,
O que pode vir a ser ou aí vem,
Acreditam os tolos,
E penso eu que não, sim...

(Eu também)


Joel Matos (02/2015)

http://joel-matos.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...