terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Nada em mim mora...





Nada me pertence mais que as memórias do que sou e uso,
Sirvo tudo o resto e acabarei por esquecer, nu e em branco sótão,
Como tudo o que faço, fazendo disso que se chama jantar,
Com a ilusão um acostumado raso prato, juntando-nos no alto desvão,

Ou divisão de barraco que em mim mora, pode ser amanhã ou foi noutra
Era d’antiga hora, onde não existo nem quero insistir, fora d'portas
Nada me pertence mais do que uma trouxa e a memória destas notas,
A afirmar que estou eu entrando no sonhar que esquecer quero, recuo

Senão quando o ouço clamar ao ouvido insincero dizendo adeus,
Como sonho d'ido embora - esqueça o que diz meu barraco coração,
Agora mesmo e se chora partido perdido e sem historia ou vanglória,
Mas conscienço-me que foi por outro estado novo, estrada que não vou,

No meu ir, fui noutra e minha e vou plas masmorras que minha vinda
Sentiu e soam no passado que sou e me mal'agrado ou mal'magradeço
Do limite que me limita a felicidade que volta na memória esteira
Minha e desses outros tolos tantos e todos., cansei de mandar em mim

E no que há acima da morte, quiçá se chama sorte ao Deus-dará,
No entanto, nada mais me compraz, que ler o que ficou escrito de trás
Pra frente, como às voltas uma estrada errada, sem começo nem fim,
Encerrada, errado sentir... oh. Deus meu que nem ao meu desespero

De parado tempo me pertenço. nem eu rezo d'joelhos ave-Marias.
Zero, zé-ninguém sem decisão, doente por dentro e com o historial dum'sisifo,
Sendo eu noutra paralela historia, o absurdo da peste e o surto
Com que empesto um mar de vida que em mim vive, intenso, imenso...

Nada mais me pertence que esse mal de pensar que vem de mim dentro
E me cobre d'igual ao avesso…


Joel Matos (01/2015)

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...