sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Malmequeres...





Eu não sei que familiaridade tenho
Com os lábios, a monte anda a crença
Que me abandonou no que digo senão
Posso ser eu capaz de fazer rir e Chorar

A 1 tempo pois não passo de um charlatão,
como posso passar eu rente a outro
Que amar-me eu não, quando o faço
Apenas pra que tenham saudade,

Deste familiar má peça, sem nada
Pra dizer que seja novo ou verdade,
Não quero saber o que sentes,
Baixo os braços se subires os teus,

A febre abandonou-me, a família
Que não acho sempre esperará por mim,
Supondo-me uma ilusão de óptica
Esquecei-me pra sempre, esqueci eu

O sentir e de tudo quanto fingi ser
Sou nada, sou um fulano malquerer,
Desenho mundos em flor, ovais
Excepto o pensar delas e o ser,

Espalham o meu desamor em voo,
Como as colónias de abelhas,
Todas de acordo com as pétalas,
Creio eu e uns outros quaisqueres,

Que façam deste modo sala d'estar
O mundo todo, nada vejo de singular
Nas famílias de ideias que desenho,
Com estes lábios malquereres...


Jorge Santos (01/2015)

http://namastibetpoems.blpgspot.com

Sem comentários:

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...