Avançar para o conteúdo principal

L'âme de Mohammed / The soul of Mohammed




No começo do universo havia o vazio
o que havia antes nem eu sei
embora em cheio a imaginação
coloque um universo gigante
no coração enorme da gente

no começo o universo era frio e o caos
feio como breu mas eu e tu toda a gente
veio aquece-lo e o frio feio
passou a quente e muito quente
no começo até eu era, mas agora...
agora não sou tão feio sou gente

de nada serve a arte com censura
porque transforma em ração sem casca
a alma da gente e num existir inutil
do querer semelhante a clausura
e em coisa baça sem asas sem casta

de nada serve uma tesoura (minha)
sem o vosso cabelo a crescer
a ilusão de conseguir um dia
fazer um mundo melhor imprevisto
através de tentativa e fracasso

de nada serve um corte sem alma
mas cortar a alma nos faz fortes
se for por uma ideologia uma arte
por um esforço por uma vitoria
de nada serve uma fonte sem agua

uma promessa de sermos mais fortes
que castelos e ameias de verdade
mais fortes que trol\'s e montes em Marte
olimpus e mesmo que caixas fortes
de nada serve o horizonte sem o olhar

de nada serve a censura na arte
senão pra esta ficar pobre e triste
tão ou mais que a triste morte
de nada serve guardar a alma na gaveta
segura escura

do censurador no escuro e no pó
de nada serve um cofre sem alma
mas uma alma só pode abrir um cofre
e semear o mundo de razões e bravura
se tiver um brilho no olhar e um trilho na voz

Talvez um dia, prometo eu


Joel matos (01/2105)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em tempos quis o mundo inteiro

Em tempos, quis o mundo inteiro, Hospedado no peito, redondo e obeso, Perpétuo como um relojoeiro, Um peito de soldado raso, desconhecido...
Era criança e havia amar, Eternidade, justiça e razão... E um lar... um veleiro vulgar, E um timoneiro sem tripulação.
Hoje sou ilícito e estrangeiro, Partido fui; metade do coração, eu entendi... E o mundo que já cobicei como o ouro, era outro Ficou perdido, em nenhum outro lado, fora d’mim.
Acabei por fim, a não pensar em nada, Até que acabou o meu tempo, Escondido numa caixa enganosa, redonda… Num habitual descontentamento.
 Eu...a quem o mundo não bastava, (Se nem eu, nem ele sabíamos que o outro existia) Agora, pouco do que tenho e sinto, é seu... Nem isto que escrevo, indefinido e a eito, sem serventia...
Basta hoje o dia não ser tão feio, Pra ver no céu fiel a alegria que sinto ainda no peito, Porque na terra, o que esperava não veio, A minha alma foi sepultada num árido e seco deserto.
Joel Matos (04/2011) http://namastibetpoems.blogspot.com

Pareces tão eu ...

Pareces tão eu
Que me aconteço,
Que me perfaço jamais
Da imperfeição do mundo,

Pareces tão eu,
Em tudo que não corrijo
E do que serei sou feito,
Injusto como muitos,

Vim ver o quanto
De quem sou
Eu mesmo, 
Ou os outros

Objectos inexactos, 
Todos eles
Parecidos comigo,
Pareces tão eu

Quanto me convenço,
Quando me aconteço,
Quase me perfaço,
Pois nem só o tempo

Espaço depende 
Da matéria, 
Mas o conceito
Parece tão meu, 

Justo quanto outros...
De resto os dias 
São como são,
Uns são acontecidos,

Outros passam acontecendo
Constantes de amanheceres
Que acontecem lado a lado,
Na geografia que somos,

Mapas de tudo, mapas mundo,
Tão curta é a vida e a dor
Que dura e se faz tempo, 
De resto os dias

São como são,
Uns são acontecidos,
Outros acontecimentos,
Passam pra sempre

Sendo 
E acontecendo,
Pareces tão eu,
Que me aconteço

Acontecendo ...




Joel Matos (06/2016)
Http://joel-matos.blogspot.com


Soror da dor

Quando o soro do amor 
Não vem sincero nem dentro
Dos gestos que usamos pra fazer

Cre,r nem nos braços ao menos,
Se sente no roçar dos lábios 

Que temos na verdade, 
Pouco pra dar 
Ao outro
Ou nada sequer

Senão vácuo, soror habitual da dor ...



Joel Matos (1/2017)
http://joel-matos.blogspot.com