quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Atrás de mim Gigantes





































Atrás de mim só gigantes grandes
Por quem perdi a vista a nitidez do andar,
A confiança e o tamanho, na noite
Chorei e ainda choro o antes,

Quando perder não era tanta dor
Nem cobiçava daqueles grandes
O ringue nem a subida paliçada
Atrás de mim grades gigantes,Titans

Calçadas e isso não me faz feliz,
Faz-me pequeno,só, raiz d'arroz
Igual a tudo e tantos,a sequela é aquela
De quem é pequeno também vê ama e sente

De pontos com vistas altas e com outros matizes
E mastros imaginando-se grande e mais que desses
Gigantes mortos, mas há que pesar
Na morte as almas às vezes às deles,

Iguais às nossas, Deuses amadores
Cosmonautas de dores amores e Diferenças
Tamanhas tantas...tantas raízes
De fé cravadas em terras dantes

Em campas caras, de doutos gigantes

Joel Matos (01/2015)
http://joel-matos.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...