quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Poesia...? é falso !



Falso como o céu,
sem a real cor do aço.

Despojando o peito aprendi a doar o eu, 
tudo em mim  me dói em falso
mas sendo poético sou eu,
sim... sou eu, 
pois em tudo uso de abuso 
e se me convenço de não ser um Fausto 
a imitar ser ele próprio, ecoo a falso 
e volvo refúgio d’algo
ainda mais estranho no tentar escrever
que do  escrever faço. 
Tal qual um céu de aço 
vertido no peito dum falso Fausto ou Abruso
forçado a confessar que viver lhe basta....FALSO

Às vezes, inspirado na a paixão da liberdade suprema 
reencarno gestos súbitos e momentos como inspirações genuínas 
embora me roubem a sensação do poder volumétrico 
que não me completa,
não me pode completar.
Fico perdido no tempo em que não estava no mundo,
numa emoção sem emoções.

à bolina.do momento.

A passagem mais perto e acessível da alma
são os arredores de uma cidade em que o pensamento triunfa.
Sei que posso não pensar em nada 

e rolo em torno de todas as imagens que vi 
e senti com uma loucura sem fundo
impossível...

como numa metamorfose da alma

Joel Matos

1 comentário:

Reflexo d'Alma Fase 2014 disse...

Joel, que linda e encantadora poesia!
Adorando ler aqui.
Bjins
CatiahoAlc.

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...