quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Voltam não.


Quantos adesivos cobrem o nosso silêncio,
Quanto do sol-posto cabe num coração desocupado,
Quanta violência de minha boca já saiu,
Quantos anéis os dedos retiram em segredo,

Às vezes estremeço, perante os olhos mudos,
Fúteis, de quem parece vivo sem ser,
Ponho-me a acariciar o que me resta de gente,
Nos momentos a sós com os céus,

Conto quantos gestos por doar,
Nos rostos tristes de quem passa sem voltar,
Quantos olhares não se tocam,
Com medo de se dar a noss'alma toda,

Parece às vezes, que Deus me deu a outra face,
Pra habitar, por ter ruído o mundo,
Nas faces mudas em minha roda,
Não tendo outra forma de por mim mostrar desprezo,

Nem sei quantos passos perdi de dar em volta,
No santuário dos pedintes,
Quantos penitentes passos na realidade dei,
Inconsciente do caminho que tomarei de volta,

Às vezes, no escuro, tomo-me por um outro,
Que em minha alma existe, quase extinto,
Do qual esqueci o nome e o resto,
E sonho o sonho que este sonhar me deixa,

Somente…
Eu e o meu coração cheio de coisas esquecidas,
Contamos os dias, os passos e os caminhos feitos,
Que não voltam...voltam não.

Joel Matos (02/2014)

Sem comentários:

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...