quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Pobre senil o que conta o tempo e passa de rompante...


Conheci um ancião que desconhecia as horas,
Supunha eu que queria esquecer-se delas,
Fatigava-o o tempo e a orbita dos ponteiros,
Media a data pela luz que caía por atrás dos óculos,              

Não precisava dar corda para auxiliar o passar do tempo
E a jornada, não precisava de nada pra se lembrar,
Das rugas ou se a primavera desse ano, chegaria mais cedo.
Encontrei-o num beco qualquer- pareceu-me vê-lo chorar-

Como qualquer outro faria, perguntei, sem razão:
(Não que quisesse saber, mas por mera simpatia-como ia!?-
Afinal conhecia-o, como mal se conhece qualquer ancião,
Baixa-se os olhos e finge-se pressa, mas com cortesia.)

     -Perdi o tempo que a vida me deu no começo,
Mas acordo sempre com a alma submissa ao dia,
Confiando no mistério que é a vida e no ritmo do universo,
Fi-lo conscientemente, com convicção divina e sabedoria,

 Aprendi a embalar o vento, nas batidas do coração…
A floração à luz da lua, na suavidade da noite, a textura dos céus,
Na frescura das manhãs - nem sabes tu, como é a canção
Da rola ou o coaxar da rã no charco, – nem dizer adeus!

Mas o nosso destino é o mesmo, pouco importa a morte,
Venha cedo, ou tarde, a velhice é a ordem natural,
Pobre senil, o que conta o tempo e passa de rompante…

Joel-matos (01/2013)

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Quando eu morrer actor...


Anónimo o que recito mas não o que aceito,
Como meu, anónimo o que visto doutrem e dispo,
Alegando meu porém, anónimo tatuado por delito,
No peito, anónimo tenho todo o meu falso corpo.

Nada me ocorre que não seja d’outrem,
Sou a aragem do logro que percorre a tumba
Dum morto, dando vida aos que jazem e aos que sobrevivem,
Faço parte dessa paisagem lobrega e romba

E de que, os pertences escritos rouba
Aos notáveis mortos, um pilhador de túmulos,
A eito, profanador até do sagrado kaaba…
Ignoto o suor dos meus impuros poros…

E o acto de escrita pouco lógica e de louco…
Se nem, o colchão em que me deito, é meu… o poluto
Fato, roubado no museu teutónico.
Por isso, quando eu morrer actor,

Jamais a noite se tingirá de luto preto…

Joel matos (01/2013)

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Dai-me esperança...


Dai-me os dias que lá vão,
Dai-me as mãos do velho,
Que não sendo minhas são como as de um irmão,
Dai-me a tempera dos vinhos
E a profundeza das vinhas
E dos lavrados rostos dos avós,
Das charnecas e das flores no Maio,
Da ribeira a aguar e do pardal a piar,
Dai-me o que não tenho,
Uma manhã mineral e um sorriso a dois,
Partilhados em linho e mel,
Um vale, um postigo e uma tocha pró caminho,
Um castigo merecido o chinelo e o berro da criança,
Dai-me o áspero bramido do gado,
A terra descalça e a mulheraça roliça,
Dai-me os sinos d’aldeia, um candeeiro e um padreco,  
A alcateia, a caça e o estio,
Dai-me o que não tenho,
A imensa esperança e o orvalho na floresta,
A roupa lavada no rio,
Dai-me um pintassilgo e o silvo do melro,
O ladrar do cão e o ovelhedo,
Dai-me a graça dos dias que já lá vão,
Da velha quinta, do madeiro natalício e do porco,
Da matança…do sorriso da vizinhança,
Dai-me esperança porque da pouca que tenho,
Sobrevive est’alma…
…e da mencionada lembrança


Joel Matos (01/2013)

domingo, 13 de janeiro de 2013

pressagio de tudo por quase um nada


Eu sei que pressagio de tudo por “quase um nada”,
E se de alguma coisa haja que me desconvença,
È porque nem mereça quiçá a pena
Profetiza-la, sabendo-a provisória, resma miúda.

Tudo o que já foi e ficou dito não mais o é nem será,
Desde que não mais me soe ou sinta essa má sina,
Mas se parece doer a dor que já me não dói até,
É porque o ontem falhou, findou a trégua, acabou …

Pra trás ficou enterrado o palio vício, da simples fé
Do ontem, que me deixou assim vencido, prostrado, cansado.
Mas o que me deixou sim, vazio… foi uma filha doutra fé,
Só porque endoideci, me deixei ir e fui, na maré…

E hoje o dia é já outro, embora com este pouco se pareça,
Nebuloso e frio que nem a margem do cadafalso, sem armistício,
Pálido como o jugo de perfil da rês, pouco antes da matança,
Lírico, como o lúcio litúrgico banhando-se nu, num rio..

Entretanto o povo troça, a corda roça, lassa, o meu coração,
Parecia distante mas, de perto, vejo tece-la, uma cobra branca…
Negro o cortejo e os gritos do gentio,-morte ao charlatão-morte-
Mas alguém, d’entre estes viu, o sorriso nesta minha boca…

Eu sabia que est’alma encarnaria uma outra
Porque pressagio tudo por “quasi nada”…

Joel Matos (01/2013)

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Ainda hei-de partir por esse mundo afora montado na alma d'algum estivador


Tenho a alma tosca d’um estivador,
Que tanto me dói de tão dura,
Não fosse furada por uma grossa goteira,
Não teria maneira d’achar outra dor,

E eu estimo o que por ela andei,
P’las milhas em meu redor,
Amachucando no íntimo a lei,
Que dizem que existe no país do rancor.

Lastimo estas dores ilegais,
P’lo que delas na alma ainda perdura,
Mas da pele tesa dest’estivador do cais,
Gretou apenas a branca rija salmoura,

Por dentro, ond’era mais precisa,
Permanece fluida e convive,
Comigo de forma branda, religiosa
E leve…

Tenho alma d’estivador sem terra e sem destino,
Olhos prenhos do que no mar em redor
Encerra, embarquei na noite, clandestino,
Numa caravela e posso finalmente rir sem pudor...

Por esse outro mundo afora…

Joel-matos (01/2013)

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Venho assolado p'lo vento mudo e tanto...tanto




Sinto de repente tão pouco,
Sumiu-se a poção do falar,
Mãos mil atadas por visco,
Desobrigam-me de acção,

Mas contínuo vazio, se luto por me soltar,
Opto por me deixar
Prender, se não me bato,
“Foi –se tod’acção, se-calhar“

Pudesse fazer-me eu sentir nos versos.
Muito mais são, que louco
Porquanto sinto de repente tão pouco,
A não ser ideias - a sós

Com que tempero o pensamento.
Vejo vistas, telas em que só eu me iludo,
Venho em tornados que sopram muito vento
Mas sinto a maior solidão do mundo

Em redor de mim… todo- faça o que faça-
Sinto-me de repente tão pouco,
Que até as mãos me convencem,
De que estou de facto, ficando louco,

Mas, o que de mim, vier alguém a ler,
Será o contacto efémero
Que mais perto hás-de ter,
Do fundo e puro sentir d’outro,

Sim, porque eu sinto tão pouco,
Que nem a'spada fria m'atravessando,
Nem a agonia dum povo, nem o corpo,
Que m’arde, nem a tarde, nem o cedo

Emprestam sentido, ao meu sentir,
Tão pouco o sol qu’m’invade, desperto;
Mas dormindo, sei sempre, sempre d’ond vir,
Pois venho assolado p’lo vento mudo e tanto…tanto...

Joel Matos (01/2013)

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que ...