sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Tenho um conto original p'ra contar...


Tenho um conto original
Para contar
Nem bem nem mal,
Sem muito alterar

Acaba no fim,
A originalidade que tinha,
No início 
Da primeira linha,

Depois, sempre em tom igual,
Conto sobretudo,
A alma alheia, da qual
Duvido, mas D’ouvido

Me soe mais suave.
Não desejo a eternidade,
Pois de nada me serve,
Ou ajude,

Conto o amor,
Quando o calo,
O desamor,
Quando o falo,

O oportuno quando desminto
O engano, aos crédulos,
A um quórum injusto
E a mais uns poucos sujeitos…

Joel Matos (21/12/2012)

1 comentário:

Jorge Santos disse...

Não basta ser um de mediana sorte, há que ter genial Arte mesmo quando a alma da'gente dói de se assemelhar a tant'outra igual, mole,(um sem sorte!!!... dizem por aí) há que empurrar pra frente a alma e a sorte,até estar em sangue e que essa dor se transforme em ARTE e nos transporte pr'onde a alma não morre e não morrerá jamais a arte.

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...