quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Como se fosse eu, do céu, seu dono.



Tenho pressentimentos tais que, se pudessem vê-los,
Acresceriam numa dimensão mais o caos imundo,
Como se fossem bruxedos banidos ou ogres velhos,
Saltitando p'ra fora de barrancos e do lodo.

Tenho pensamentos de sombras, sinas e sinais
Tais como aqueles que deram aparência de escuridão a Fobos
E tal como éter, entram e saem p’las narinas
Sem que possamos vê-los, mas senti-mo-los

Nas veias e nas fossas nasais, intensos, desliais…
Tenho pensamentos que não posso partilhar
Com os demais, por serem vagos como o medo nos umbrais.

Tenho pensamentos verbais, que se pudesse lê-los,
Alteraria sonho em pesadelo, fé em simples credo,
Com a sua horrorosa procissão de sapos,
Saltando pra’ fora das covas do feudal degredo.

Tenho pensamentos tão desusuais e inumanos,
Tais como aqueles que deram vida aos Elfos
E, como éter, entram e saem pelas narinas,
Sem que possamos vê-los…mas senti-mo-los,

Nas veias e nas fossas nasais, violentos, irreais…
Tenho pensamentos infernais mas invejo nos anjos, os pássaros,
Com as suas paisagens naturais, terrenas, acariciando-lhes
As asas, o dorso como se fossem dos céus, seus donos…

Joel Matos (12/2012)
http://namastibetpoems.blogspot.com

2 comentários:

varenka disse...

Pensamentos que me tocaram...Gostei imensamente!Beijos de Varenka

Massagem Curitiba disse...

Parabéns pelo blog, abçs

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...