sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Não paro, não escolho... e não leio.



Tenho um xis que me trai o pensamento
E que me trás vedado por fora mas não por dentro
“O mais certo é o bezerro ser de ouro e exótica a alma”
Estranha ilusão assim... E que parodia sou"d’Esopo"

Que dói até a quem me dou, se me choro é porqu’sal
‘Inda se desprende d’est’alma e ignora que morro.
-Sou misto do que desejava mais ser e daquele
Meu corpo de fora, rodeando um tal’outro

Defunto, mais intrínseco, não (tão) real
Como a face que vi ao espelho (copia d’cripta sem brilho.)
-Nasceu de uma vontade curta e lateral
No olhar nervoso desta amanhã, sem aparente explicação

-Define como sendo charneca seca o meu domínio,
É ela que despovoo e depois lugar onde desembainho o coração
E é aí que me dou, no horto que me dói em vão.
No meu repto vem escrito bem explicito esse duro vazio

Declarado ao vento: - ainda pensei ser rei
Do leste, dos esquilos saltitando e dos sonhos que sonhei.
-Semeei-os nessa desvairada extensão
Entre o brilho do céu e os termos que permito

E dentro deste meu coração “caracol de ermita”,
(Como se de emoção em tomos e camadas fosse ele feito)
A frase do meu epitáfio será a ausência desta,
Ou a versão mínima de certo actor distinto

“Não ter opinião é existir. Ter todas as opiniões é ser poeta.”
Portanto não paro, não escuto e não escolho
E…se escrevo, não leio…

Joel Matos (10/2112)
Htttp://namastibetpoems.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...