terça-feira, 14 de junho de 2011

Não é fácil à razão ignorar-me...




Não é fácil à razão ignorar-me,
Se jamais terá ligado,
O meu exacto nome,
Às sombras do olivado pardo,

(Onde alguém sabe quem sou),
Como me posso eu supor
Autêntico se deveras, vou
De falso ao enganador,

Num salto de leopardo,
-Ainda acredito na razão inacta,
Como uma lenda por acabar,
(Caso haja alguém que a desminta)

Quem mais senão ela pode saber
Quem sou: No fundo, um vulto
 Agachado num ermo qualquer,
Vencido num combate inédito.

Como é difícil em mim confiar,
Num gémeo fantasma, demitido
E desprovido do abrigo de ser,
Apenas tapado p´lo céu estrelado

E pelo umbigo de um Deus comum
E um outro, sugerido numa outra dimensão,
Escondida em sítio incomum,
Numa frequente ilusão

Não sei se é mais justa a razão,
 Ao censurar-me
Como louco, se ao evocar-me,
Como homem são…

Mas não é fácil à razão
De  todo ignorar-me…


Joel Matos (06/2011)

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que ...