sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Lilith


Não me surpreenderam ainda os meus dedos curtos,
Num corpo de barro, sem o arrojo que o revele,

Mas abria um buraco no céu, se Lilith viesse por ele
E me assombrasse com os seus dedos compridos

E a língua infiltrada, explorando os recantos,
Como seres danados, sob uma mesma pele,

“-Porque hei de eu deitar-me debaixo de ti”
Dizia simplesmente a fascinante Lilith,

“-Se eu também fui feita tua igual, do pó,
Não da meia-costela do Adão com nó na goela,

Que com ele partilha, da fraqueza e não o poder,”
Eu abria um buraco no céu se Lilith viesse por ele,

E me amarrasse; e eu me amarrasse a ela,
Alimentando -nos de sexo, sem férias,

Na cama menos ingénua do universo.
Caiu uma lua nova do céu, numas tréguas

Perfeitas de nuvens -Lilith veio nela…




Joel Matos (26/11/2010)
http://namastibetpoems.blogspot.com

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Navio Fantasma

(Cape Tribulation, Australia, 11 de Julho de 1881)

(O futuro rei da Inglaterra Jorge V e a sua tripulação de 12 homens no navio,  HMS Inconstant, avistaram o navio-fantasma no dia 11 de Julho de 1881 quando navegavam na Austrália em Cape Tribulation)

O Navio Fantasma,
É coberto de algas, na proa e no mastro e o espectro, no barco
(o capitão Bernard Fokker , rosto de peixe e corpo de homem)
Berra em silêncio, com o oceano e o madeiro podre do casco,
Num nefasto rangido, quase perpétuo, como as vagas
E a errática andança pelo mar, no negrume das sombras,

O fantasma maldito, desafia-o no convés e o nevoeiro ambíguo,
Tudo cinge, num abraço de cal e morte. No porão do tempo,
Os conjurados navegantes parecem arder, num eterno fogo-fátuo
E galgam, galgam ondas, montados nas costas do demo,

Lançando de quand’em vez, um esgar supérfluo, ao luar sem face,
Talvez por inveja, da lua, ao invés deles, possuir claro aspecto,
Ou evocando as noivas, que os esqueceram, no ardor do clímax. 
(Defuntos sem olhos, outrora jovens, caídos em desgraça, no mar insurrecto)

Portos em que amarra o capitão Dutchman não haverá primavera e flores,
Pára o fluxo do tempo, soltam-se todas as dores, nas garras de irreais seres,
Almocreves do demónio, Trafica-se, tormento, abominação e ódio.
Nos areais e praias a carnificina lembra, O inferno de Dante ou episódio

 De John Carpenter em filme, grita-se nas ruas,fujam pelas vossas almas,
 Vem aí o Der fliegende Holländer e o pânico alastra, nas aldeias e vilas,
Tal a famigerada reputação do navio, condenado para sempre a vaguear,
Pois o comandante, Fokker, usou dados viciados, com o diabo ao poker, a jogar

(Procura o capitão nas aldeias da costa e no mar uma mulher que lhe jure
Fidelidade eterna e o livre deste tormento)



JORGE SANTOS (11/2010)
http://namastibetpoems.blogspot.com

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Quem Sonhou o Amor...Doía-lhe apenas no Desejo





Não canto de noite porque no meu canto do fundo escuro da casa, Nem sei quando é noite ou se é dia, Ou quando acaba esta e começa o outro.
 Não surpreendo o sonho porque durmo de dia, Acordando de quando em vez, Enquanto na noite permaneço acordado, Dormindo apenas enquanto ele se revela em sonho E me vela deitado e ao meu lado. (imagino eu)
Por outro lado, se canto a ilusão, Ela me reduz no tamanho, a uma azeitona preta
E acabo perdido num universo escurecido e frio, Num oceano alheio de estrelas.
Também não canto o dia, No meu canto o raio da luz acaba entrando mas por tempo curto
Porque no meu canto não toco nas barbas dos céus E em nada mais que não seja escuridão.
Não importa o tempo que faz lá fora, Nem se chove, nem a hora do dia,
Eu o reinvento no sonho e no facto d’ele projectar a irrealidade.
E no que sonhou o tempo? Sonhou o que seria eu sem o incontrolável futuro e num ínfimo momento,
Sonhou Tristão e Isolda, o magnífico mago Merlin, Sonhou a Ordem da Rosa e a Rosa de Luxemburgo,
Sonhou a noite e a luz do dia, a música, sonhou a obscuridade dos castelos, O som da chuva na floresta, sonhou a guerra de Tróia, As palavras, sonhou o livre pensamento, o arquétipo da Atlântida,
Os números primos, sonhou o rosto de Deus, a cor branca dos seus cabelos, Sonhou o próprio Deus depois. Depois sonhou-me vazio, Num despropósito abandonado por Ele, mas antes sonhou que haveria de reescrever d’outro modo “paixão”, Haveria de repensar o facto da existência da luz negra no espaço.
(Sou um objecto quase acabado, mas sem ardor, Morrendo na sua bancada de trabalho)
Não importa o que sonhe o tempo, continuarei vencendo insónias E sonhando num amanhecer que não me convence Porque não é igual à madrugada em pérola do meu sonho e ainda não ouvi o toque Que proclama a alvorada e o fim do pesadelo.
No meu quarto o raio de luz, é obstinado E não atravessa a cortina de veludo negro, Se reclamo, na penumbra ele se perturba E me abandona definitivamente no recanto negro da sala.
E quem sonhou o Amor?
Nem sei se o amor será, (como dizem) um filósofo desempregado, Sonhando corações com rendas e flechas, De preferência desabitados e pouco usados. Quem o terá sonhado?
 Tristão e Isola sonharam o amor, A Rosa de Luxemburgo não sei mesmo se amou mas talvez tenha amado
Nas reuniões do partido assim como “La Pasionária” do comité-cental,Ela terá inventado talvez a paixão como um estado de alma revolucionário Ou Florbela Espanca ainda assim inventado a solidão apaixonada do Alentejo E inflamada pelo ardente sol do meio-dia.
E quem a inventou a paixão?
Que o tempo esmorece e o sonho frio de novo reacende Nos lumes das madrugadas em tons de pérola!?
Quem a inventou? Eu não, não canto a Paixão nem o Amor, Porque neste canto a paixão  (p‘ra mim) não conta, É como o raio da luz que entra pela porta, cedo, E logo se vai sem deixar rasto, se esvai como mistério para uma outra dimensão negra do espaço-tempo.

“Não canto a noite porque no meu canto, O sol que canto acabará em noite.”








Doía-me no desejo



Quem inventou o AMOR, doía-lhe apenas no desejo,
 Até agora doía-me apenas o desejo, Como tudo o mais, mas noutra parte do corpo,  por vezes doí-me a alma e o desejo no que digo e  não chega nem a bom porto, nem a porto algum, de modo que me limitarei aqui ao desejo de falar comigo "patati-patata" , continuarei contudo a escrever como um diário intimo, (quem quiser que leia, agora ou em algum dia), ele é público e poderá servir de antídoto para outras dores doutras pessoas,em alguma parte do corpo,  espero que passem estas minhas dores d'alma , pois que são tão intrínsecas, mas tão obstinadas, como as miragens,(só existem na minha febril imaginação).
 Sinto-me sazonalmente nu e cru, como um tronco sem folhas no inverno ou árvore d'folhas caducas e as palavras não cobrem a vergonha que sinto, por não me crescerem na parte cinzenta da casca, grossa e feia.
Desejava viver mas doía-me o desejo, agora dói-me a alma.
Não consigo viver escrevendo por menos, e menos ainda sei viver se não escrever diariamente pelo menos, mas é como respirar numa casa mortuária, penso que sou o único que aqui, ainda respira  e, quando olho para o lado, estou só e numa enorme cripta com imensas arcas de zinco,agora me lembro porque tanto gostava de Franz Kafka, era dele este  imaginário também  e que eu  devorava quando era criança,lembro-me da "Metamorfose" quando o insecto era cem vezes maior que o normal e o perseguia, ou do "Castelo" e a impossibilidade do "Agrimensor" subir até a porta da fortaleza. Eu,por meu lado acabo sem ter força para tentar "beijar"o "meu público",os púlpitos são muito altos para mim (sou de pouca estatura e menor estrutura descritiva) ou então, na plateia não entendem o meu "linguarejar",(nunca entenderão, todavia).
Portanto aqui estou no fundo desta sala cor-de-salmão, com espelhos, imitando  "outros rostos" nos  meus próprios repetidos e nos repetitivos gestos (de tesoura e outros), pensando que faço parte dessas mensagens ditas por "tais outros", umas já estafadas, d'outrora, outras inusitadas quando apenas uno as opostas pontas ou desarrumo as palavras que encontro perdidas ou dependuradas por aí,  encontro nelas, outro sentido, menos nobre para a decoração existente no hall de entrada das casas.
Falava em miragens e encontro-me nos parados desertos horizontais sem ter, nem água, nem fontes, isentos de paisagens e dos verdes preciosos que preciso,todos os meus mais terríveis fantasmas ociosos de areia, me rodeiam, lembrando as danças com bruxas disformes e negras de Goya,nem sei porque me odeiam tanto elas, nem sei se é miragem esta sala, funda, perfumada e cor-de-salmão, funda, funda... e sem saída, que me abocanhou e engoliu inteiriço da manhã e até ao almoço.
(por isso vivo, abrigado, deste lado da terra e de uma face da vida de oculto insecto caseiro e de tempo indeterminado)
Dói-me no desejo...por obrigação de quem sonhou o amor.

Joel-matos (11/2010)
http://namastibetpoems.blogspot.com


terça-feira, 2 de novembro de 2010

De mim não falo mais


De mim não falo mais,
Só arranquei um desejo da poça,
Se bem que nem o conheça,
Mas não falarei dos demais,

Que o diabo os carregue, (aos outros leais seis ou sete),
Disseram-me estes: “Anda, anda ver o lindo pôr-do-sol no cais”,
Mas até o sol me segue a escorrer de sangue,
Se ainda tento fugas desleais.

De mim não falo mais,
Mas Terei horror do luar disfarçado de lobo,
Na copa dos velhos, velhos olivais,
Quando o meu ensejo for negado

E esta despida carne comida por animais,
(Agora no claro da noite ainda rezo em segredo)
E se o desejo meu tremer de medo.
Ainda mais odeio a convicção da cereja na ramada,

Quando esta fica encarnada e enchida
E com cachaço de tocador de trompeta
E a ventania por nada fica parada,
Nem aquela aragem de quem se sente longe e volta.

Por mim não falo mais,
que falem os espíritos ,das crenças da noite,
(Tidas como horríveis)
E nem espero que o desejo de que falo, se nem me conhece, volte.


Joel Matos (2-11-2010)
http://namastibetpoems.blogspot.com









Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...