segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Tenho saudades de quando ignorava que havia mundo…


A chuva parecia à pouco determinada a destruir tudo,
Corriam pela rua com um furor apaixonado, o universo e ela.
Cabe entre mim e ela um vidro e um cortinado, diria que o veludo
Abafa a minha inveja, num aconchegante conforto de cela.

Tenho saudades de quando ignorava a chuva e ela a mim,
Hoje, afoga-me em ciúmes sem cura e do tamanho do universo
E não tenho mais a ilusão da’squina, ser a aresta d’algum jardim
Imenso, esconde-se no sonho dela o meu conceito de extenso.

Consumo na inveja o detrimento das outras sensações,
Como viajar ou ser lembrado, como um homem do mundo,
Entre mim e a chuva havia um milhão de códigos, cores
E sinais citando “Carlyle” e Entepfuhl, a estrada do fim do mundo.

A chuva parecia à pouco determinada a destruir tudo,
E eu aqui sentado vejo-a partir, sem destino, com a lua cigana,
Sou um mito de natal, madeiro sob o cobertor escondido,
Não tenho mais o delírio da chuva, nem de humano a sanha.

Tenho saudades de quando ignorava que havia mundo…

Joel Matos (12/2010)
Http://namastibetpoems.blogspot.com

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...