terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Nego que seja Arte

Platão e a rectorica 

Que se dane o sonhar de dia, se o semblante do subúrbio sem face
Marcasse o dia do meu desterro num obelisco tremendo, um mistério me cercaria de dia,
Assim um muro me cerca de noite, o sonho afoita-se na frecha greta o dia todo, tod’o-dia-a’fora
Porque minh'alma não partiu, ficou no corp'i'ruíu, ruindo, rindo constantemente de meu desalento
E se hoje acordei em prosa foi porque os ecos se foram, dos sonhos, morreram…
Porque as lágrimas de súbito secaram e das alas saíram
Pétalas e acordaram súbditos sentimentos  do que eram, subterfúgios  
Inconsistências e prosas incoerentes, sem arte.
Dane-se o sonho, dane-se o dia, Se há-de vento o que há-de calmaria
Há-d’a ser noite o mesmo que há-de ser d’ dia, de noite os meus olhos são palcos do que imagino
De dia Iludo-os com irritantes aplausos e fecho-me de fechos eclair p’ra não entrar luz da rua
E gritaria que me destrua.
Dane-se o agreste frio celeste e a peste se os nossos corações de tão altos...sem quem os alcance,
Caem em cacos...como se de louça fossem, daquela que se parte, mas ainda que minhas vozes não rachem mais o público, que se fartem das minhas postulas Rugas e tracem um subúrbio na face, as minhas pálpebras fechem no final cadafalso,
Do que ficou escrito e dito nego, nego que seja arte…

Jorge Santos (12/2010)

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...