Avançar para o conteúdo principal

Canção do pão (ou a revolução dos "tesos")



Não sei o que a manhã mostrará,
Não avisto no futuro uma só sobra,
Que seja broa ou pão, nesta Terra convulsa,
Nem na multidão (ainda assim) isenta de firmeza.

Sou descrente de uma confiança
Tão escassa no amanhã, nomearei
Sem dúvida a revolta Franca como arcaica,
Com tolos degolados no terreiro do rei.

(Vive la Repúblique, viva a República)

Não sei se amanhã será revogada
Pelas sombras ou em círculos de história
Infindáveis a giz tendo no esquecimento advogado
Ou se tudo não será apenas uma alínea

Do decreto-lei e do  ditador que aí vier
Não sei o que o amanhã nos trará,
- Dizia eu - mas poderá alguém ver
Pr’álem das paredes de greda e pedra

E das grades de prisão que nos cerca?
Basta de alçar promessas falsas,
Baseadas em astutas falácias,
Não absolveremos quem nos insulta.

Não sei o que o amanhã me trará,
Avisto no futuro uma sombra bem negra,
E não sei se minha também será,
Na canalha de míseros sem pão nem terra

De tocha na mão no Terreno do poder
Mal usado, sem compaixão
Espetaremos uma "naifa" na goela dos ganaciosos
Chefes das nações (viva a revolução dos "tesos")

Não sei o que amanhã me trará,
Mas suponho que outra, i’nda mais explícita canção,
Se esta paixão não incendiar outros espíritos í’fora
que peguem fogo na boreal aurora

Joel Matos
http://namastibetphoto.blogspot.com
30/11/2010

Mensagens populares deste blogue

Em tempos quis o mundo inteiro

Em tempos, quis o mundo inteiro, Hospedado no peito, redondo e obeso, Perpétuo como um relojoeiro, Um peito de soldado raso, desconhecido...
Era criança e havia amar, Eternidade, justiça e razão... E um lar... um veleiro vulgar, E um timoneiro sem tripulação.
Hoje sou ilícito e estrangeiro, Partido fui; metade do coração, eu entendi... E o mundo que já cobicei como o ouro, era outro Ficou perdido, em nenhum outro lado, fora d’mim.
Acabei por fim, a não pensar em nada, Até que acabou o meu tempo, Escondido numa caixa enganosa, redonda… Num habitual descontentamento.
 Eu...a quem o mundo não bastava, (Se nem eu, nem ele sabíamos que o outro existia) Agora, pouco do que tenho e sinto, é seu... Nem isto que escrevo, indefinido e a eito, sem serventia...
Basta hoje o dia não ser tão feio, Pra ver no céu fiel a alegria que sinto ainda no peito, Porque na terra, o que esperava não veio, A minha alma foi sepultada num árido e seco deserto.
Joel Matos (04/2011) http://namastibetpoems.blogspot.com

Pareces tão eu ...

Pareces tão eu
Que me aconteço,
Que me perfaço jamais
Da imperfeição do mundo,

Pareces tão eu,
Em tudo que não corrijo
E do que serei sou feito,
Injusto como muitos,

Vim ver o quanto
De quem sou
Eu mesmo, 
Ou os outros

Objectos inexactos, 
Todos eles
Parecidos comigo,
Pareces tão eu

Quanto me convenço,
Quando me aconteço,
Quase me perfaço,
Pois nem só o tempo

Espaço depende 
Da matéria, 
Mas o conceito
Parece tão meu, 

Justo quanto outros...
De resto os dias 
São como são,
Uns são acontecidos,

Outros passam acontecendo
Constantes de amanheceres
Que acontecem lado a lado,
Na geografia que somos,

Mapas de tudo, mapas mundo,
Tão curta é a vida e a dor
Que dura e se faz tempo, 
De resto os dias

São como são,
Uns são acontecidos,
Outros acontecimentos,
Passam pra sempre

Sendo 
E acontecendo,
Pareces tão eu,
Que me aconteço

Acontecendo ...




Joel Matos (06/2016)
Http://joel-matos.blogspot.com


Soror da dor

Quando o soro do amor 
Não vem sincero nem dentro
Dos gestos que usamos pra fazer

Cre,r nem nos braços ao menos,
Se sente no roçar dos lábios 

Que temos na verdade, 
Pouco pra dar 
Ao outro
Ou nada sequer

Senão vácuo, soror habitual da dor ...



Joel Matos (1/2017)
http://joel-matos.blogspot.com