sábado, 4 de dezembro de 2010

Canção do pão (ou a revolução dos "tesos")



Não sei o que a manhã mostrará,
Não avisto no futuro uma só sobra,
Que seja broa ou pão, nesta Terra convulsa,
Nem na multidão (ainda assim) isenta de firmeza.

Sou descrente de uma confiança
Tão escassa no amanhã, nomearei
Sem dúvida a revolta Franca como arcaica,
Com tolos degolados no terreiro do rei.

(Vive la Repúblique, viva a República)

Não sei se amanhã será revogada
Pelas sombras ou em círculos de história
Infindáveis a giz tendo no esquecimento advogado
Ou se tudo não será apenas uma alínea

Do decreto-lei e do  ditador que aí vier
Não sei o que o amanhã nos trará,
- Dizia eu - mas poderá alguém ver
Pr’álem das paredes de greda e pedra

E das grades de prisão que nos cerca?
Basta de alçar promessas falsas,
Baseadas em astutas falácias,
Não absolveremos quem nos insulta.

Não sei o que o amanhã me trará,
Avisto no futuro uma sombra bem negra,
E não sei se minha também será,
Na canalha de míseros sem pão nem terra

De tocha na mão no Terreno do poder
Mal usado, sem compaixão
Espetaremos uma "naifa" na goela dos ganaciosos
Chefes das nações (viva a revolução dos "tesos")

Não sei o que amanhã me trará,
Mas suponho que outra, i’nda mais explícita canção,
Se esta paixão não incendiar outros espíritos í’fora
que peguem fogo na boreal aurora

Joel Matos
http://namastibetphoto.blogspot.com
30/11/2010

Doze

Doze -Doze nós, tem uma figueira Ao medir-se dentro de nós, em vidas Que a gente tem e não sabe explicar, -Doze é a di...