sexta-feira, 8 de outubro de 2010

falta de definição ?



Para bem te descrever,
Em verso, sem timbrado decreto:

-Nem papel sem tinta, nem panda vela,
Azul forte, do mar de espumas,
Nem segredo impresso,de velho mata-borrão,
                       (Nem sei se posso isso no espelho ler,
                        E além disso nem te esquecer quero)
Sendo tua, a raiz d’madrágora e a poção
De secreta bruxa, que me espanta
Só podes ser "sibila de Cumas"
Ou D'Atlanta uma sagrada Musa,
E eu fabuloso Argonauta,
Do desesperado timoneiro Jasão
                          (serei eu a tua definição em falta ?)




Joel Matos (10/2010)
http://namastibetpoems.blogspot.com





Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...