sexta-feira, 18 de junho de 2010

No caír do medo...





Ai…se soubesse que acabava caído do mundo saindo fora de portas
E as pedras e as estradas caminhos se revirassem em pregas soltas
(Como devem ser as curvas frente a quem dele próprio foge)
Ai… se soubesse que o nada fosse, ainda assim, não muito longe,
E a ausência, nem por isso incómoda, mas incolor ou deslavada
(Como deve ter de comum na cor das asas de minúsculas moscas)
Partia em busca da dor louca, despenteada, ela mesmo uma “quasi” nada.

E tinha aí saudades das fontes, onde corriam por vezes os silêncios,
…(Faziam parecer naturais, os sons distantes das minhas outras vozes.)
Mas de tanto gastar o olhar, ficariam molhos de memórias de fúrias e ventos
Sempre presentes nos silêncios imóveis, nos eternos silêncios!
Se soubesse que acabava caindo do mundo voaria antes que as aves
De gritos fortes, agudos e ásperos grasnassem.
Partia por’í fora com todos os gritos que escoram no voar, o medo!

Joel Matos
(18/06/2010)

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...