segunda-feira, 24 de maio de 2010

Toma,bebe...



Toma, bebe d'estas pétalas d’rosas
Soltas, frias, das pálpebras prosas,
Nem sei se seixos são, quantos
Flutuam nos desejos, de mãos e dedos.


Toma, bebe do meu falido copo que treme,
Que o meu mando tem da serra o cume e o termo,
Sendo, são cinzas ao vento e meu ermo.


Toma, bebe o que ainda encerro,
Em terras de pó e barro.


Toma, não temas o sorvo do cântaro escuro,
Até que, na míngua o convenças
Que é estorvo e turvo e por mais que o pises nesta,
É na terra da crença que o derrotas.


E são esses os motivos do nada e do tudo
Que deves beber, mas bebe nas pétalas de ar lúcido,
Bebe apenas o beijo que quieto nos meus lábios
De água transparente viaja, viaja com destino
Distante…

Joel Matos
(05/2010)

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...