segunda-feira, 22 de março de 2010

Barbearia

Barbearia

Não sou nada dentro deste muro,
Nunca serei nada do lado de  fora dele,
Não posso mais do que querer ser,
Parte dos sonhos e de todos os lugares.


Sou filho comuna do vazio e cantoneiro
De estrada sem berma, barbado,
Viajo sentado na loja do barbeiro,
Lendo, desatento, o jornal amarrotado

Estou vencido, (como se só o vencer
Fosse lícito), se estivesse para morrer 
Teria lápide “ toda uma vida sem lealdade”
Mas também ela, uma (meia) verdade imitada

Das filosofias que não apalpei, sem euforia
Arderam, de resto, como a multidão
De versos adaptado, em esquadria.
O meu feudo é ter do real o convicto “ senão”

No fundo, estou desiludido nas certezas
E nem vejo na luz, o sol ou ouç,  d’ouvidos,
Sons que cruzam, na barbearia,  as vidraças,
Aquele assobiar, das ondas nas conchas dos búzios.

Mas hoje o universo reconstruiu--me…

Joel Matos
03/2010
http://namastibetpoems.blogspot.com 

Sem comentários:

Às vezes

Às vezes, o que resta na mão nos foge, Tal e qual como num livro a palavra fim, Sinto um vidro fosco ente mim e essa luz Que me ...