domingo, 3 de janeiro de 2010

Panfleto




Panfleto


Um dia, direi no que acredito
E virei a praça, e em publico,
Proclamar de um banco, o pensamento,
Escondido no bolso, deste casaco.


Olho nos olhos, estátuas de pedra
Dura, com vergonha, mordi lábios meus,
Senti-me profeta d’algibeira,
Vergastado, num qualquer Altar, sem Deus.


E eu mentiria, se meu protesto,
Não fosse do meu peito, panfleto,
E d’alto gritado, como quem diz:-pára,


“Parem de cavar um poço fundo,
Entre o deles e este nosso mundo,
Ou a voz dos muitos cedo será”




Jorge Santos

Sem comentários:

(1820)

1820 O mal deste mundo é nem tudo rodar à volta dele, Por sinal a mim tudo volta excepto o que mais desejo, Voltar ao mundo segu...